In Memoriam Credidio Rosa (4/9/1938 - 6/8/2014)

sábado, 28 de outubro de 2017

Vinhos Californianos - Credvinho

Data: outubro 2017
Local: Prohibition Wine Bar
Tema: Vinhos Californianos 

Preocupados com o incêndio da Califórnia que destruiu alguns de seus vinhedos, resolvemos degustar alguns dos bons vinhos da região, que ainda apresentam preços accessíveis aos nossos bolsos.

Nossa reunião foi no Prohibition Wine Bar, antigo Smart buy Wine, onde já havíamos realizado uma reunião há alguns anos. É uma importadora simpática e com ótimo atendimento, especializada em vinhos californianos, com uma vasta variedade de vinhos americanos, o que é raro em São Paulo.



Degustamos nesta noite 4 vinhos da vinícola Castle Rock, vinícola vencedora de grandes concursos, situada na região de Sonoma. Todos vinhos varietais.

O vinho de boca foi um Chardonnay 2013 da Castle Rock que apresentou aromas de baunilha, pera e melão. Vinho com final longo e persistente, GA 13,5%, R$ 117,00. Este vinho agradou a todos.



Degustação:

1- Castle Rock, Pinot Noir, 2012, GA 13,5%,R$ 150,00
Vinho elegante, de corpo médio, com aromas de cereja e um toque herbáceo.Taninos muito suaves. Foi o terceiro a ser escolhido.

2- Castle Rock, Cabernet Sauvignon, 2013, GA 13,5%, R$ 138,00
Aromas de cerejas pretas e especiarias.Vinho intenso com final longo e harmonioso. 14 meses em barris franceses, americanos e húngaros. Foi o primeiro a ser escolhido.

3-Castle Rock Syrah, 2011, GA 14,5%, R$ 118,00
Aromas complexos de especiarias e frutas e um quê de pimenta preta. Foi o quarto a ser escolhido.

4-Buena Vista Zinfandel, 2013, GA 14,5%, R$ 249,00
Vinho do vale do Sonoma com aromas de ameixas, framboesas, mirtilo e pimenta negra. Foi o segundo a ser escolhido.



No jantar foram servidos diversos risotos, todos deliciosos e ao dente, regados a um super Zinfandel Mettler Old Vine Zinfandel Epicenter, Lodi, 2010, GA 15,9%. Um blend de 83% zinfandel, 13% petite sirah, 4% cabernet sauvignon. R$ 280,00.
Noite agradável com ótima companhia, ótima bebida e jantar especial.

Até novembro
Vera

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

REGIÃO DE LE MARCHE - CLUVINHO

CLUVINHO - SETEMBRO 2017

TEMA - LE MARCHE

LOCAL - NOU RESTAURANTE



Le Marche é um a região da Itália na costa adriática, onde se destacam duas cidades famosas Ancona e Ascoli Piceno. O vinho mais conhecido desta região é o Verdicchio dei Castelli di Jesi, um branco muito apreciado em todo mundo, e as cepas tintas plantadas nesta região são: Montepulciano, Sangiovese, Lacrima di Morro, Cabernet Sauvignon e Merlot. Le Marche faz divisa ao norte com a Emilia-Romagna, oeste com a Toscana, Umbria e Lazio e ao sul com Abruzzo. Todos os vinhos testados são de um mesmo produtor VELENOSI e quem importa é a Casa Marche.

Abrimos com o vinho branco Villa Angela - Offida 2015, feito com a uva Pecorino, muito usada em Le Marche e Abruzzo, fresco e fácil de harmonizar, produzido em tanques de aço com  bombeamento do mosto para deixar a mistura bem uniforme, com controle de temperatura, colheita a mão, GA - 13%, 2 bicchieri no GR e R$ 89,00.

Os vinhos degustados foram:

LACRIMA DI MORRO D’ALBA SUPERIORE DOC 2014 - Este tinto é produzido 100% com a uva Lacrima di Morro, que recebe este nome porque quando a uva esta no ponto sua pele racha deixando escorrer uma gota como se fosse uma lágrima. Pode se dizer que é uma uva autóctone desta região com seus vinhedos localizados no Morro D’Alba perto de Ancona. Vinificada em tanques de aço com bombeamento do mosto, rubi intenso, aroma de groselha e amora, na boca chega lembrar um Barbera, taninos presentes e boa acidez, GA -13% e R$ 219,00. Ficou em quarto na preferência.

ROSSO PICENO SUPERIORE BRECCIAROLO GOLD DOC 2014 - Um corte de 70% Montepulciano, 30% Sangiovese com vinhedos em Offida e Ascoli Piceno. Fica em barricas de carvalho francês novas durante 24 meses, 2 bicchieri no GR, rubi, frutas vermelhas, taninos equilibrados, boa acidez e elegante. Este vinho está muito novo e deve ser decantado, para extrair o seu potencial, o que não foi feito para a degustação. GA - 13,5%  e R$ 225,00. Ficou em terceiro na preferência.

LUDI OFFIDA DOCG 2013 - Tinto magnifico, apesar da jovialidade. Um corte de 50% Montepulciano, 30% de Cabernet Sauvignon e 20% Merlot com vinhedos em Offida e Castelões di Lama. Fica de 18/24 meses em barris de carvalho francês novo, 2 bacchieri no GR, grená intenso, frutas presentes, macio, elegante e com muita personalidade, tanino e acidez equilibrada, GA - 14,5% e R$ 449,00. Foi o primeiro na preferência.

ROSSO PICENO SUPERIORE BRECCIAROLO DOC 2014 - Este tinto é igual ao segundo exemplar acima, só não tem o Gold no nome e passa 6 meses em barricas de segundo uso, 2 bacchieri no GR, é um vinho mais pronto para ser apreciado, GA - 13,5% e R$ 120,00. Ficou em segundo na preferência.



No jantar, tivemos uma salada de entrada e foi oferecido duas opções: um taglarini ao molho de funghi e um lombo de porco ao molho de vinho tinto com polenta. Excelentes
Para acompanhar o jantar tomamos o Lacrima di Morro D’Alba, que harmonizou bem, pelo menos, com o lombo de porco.

Cred não nos abandone.


Taba

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Ripasso - Cluvinho

Cluvinho - Agosto 2017

Tema: Ripasso

Local: Genova Restaurante



Devido a problemas particulares, este mês não foi obedecido a data usual da nossa degustação, ela aconteceu dia 29/08. O tema RIPASSO foi escolhido por ser uma técnica utilizado exclusivamente no Veneto, segundo os meus conhecimentos. Ela é usada na sub-região de Valpolicella, as uvas mais usadas são: corvina, rondinella e molinara, podemos que este seria o padrão, assim como acontece no corte bordalês. A técnica ripasso é quando é extraído o mosto das uvas para preparação do vinho Valpolicella e nele se junta o mosto da sobra da preparação do Amarone della Valpolicella e dai inicia-se a vinificação do Ripasso Valpolicella, sendo abusado podemos dizer que Ripasso é um semi-Amarone.



Já que o tema era de origem veneta, abrimos com o Prosecco di Valdobiadene Brut DOCG 2015, muito agradável, fresco, do produtor De Faveri, GA - 11%, R$ 109,00, importado pela World Wine. A escolha dos vinhos foi muito equilibrada.

SOPRASASSO 2013 - Da sub-região de Santa Ninfa, produtor MGM (iniciais do sobrenome dos 3 sócios), um corte de Corvina e Veronese, 12 meses de barril, rubi, aroma com toques de balsâmico, cacau e café, longo e bem estruturado, GA - 14%, R$ 144,00, importado pela Grand Cru, foi o quarto na escolha.

SAN ROCCO 2013 - Da sub-região de Valpolicella, produtor Tedeschi (com mais de 4 séculos de história), um corte de Corvina, Corvinone, Rondinella, Molinara, Rossignola, Negrara e Dindarella, 6 meses de barrica eslovena, rubi/grena, cereja, groselha e cacau, elegante, bom retrogosto, GA - 14%, R$ 174,00, importado pela Grand Cru, foi o terceiro na escolha.

ANTICHELLO DOC 2011 - Da sub-região de Valpolicella, produtor Santa Sofia, um corte de 70% Corvina Veronese e 30% Rondinella, 9 meses em barril, rubi, compota de frutas, bem encorpado e boa persistência, GA - 13,5%, R$ 182,00, importado pela Ravin, foi o segundo na escolha.

RIPASSA DOC 2013 - Da sub-região de Valpolicella, produtor Zenato, um corte de 85% Corvina, 10% Rondinella e 8% de Oseleta, 18 meses em barril, rubi/grena, frutas negras, especiarias, longo e bem estruturado, GA - 13,5%, R$ 179,00, importado pela World Wine, foi o primeiro na escolha.

O jantar foi simplesmente divino, por ser dia 29, o confrade Raphael pediu que o jantar fosse um gnocchi de batata e realmente foi uma boa escolha pois estava leve e com um molho ao sugo fantástico, para acompanhar esta joia escolhemos o MEMORO ROSSO, um vinho não safrado, importado pela Vinci, que é produzido pela vinícola toscana Piccini em homenagem ao aniversário de 150 anos da unificação italiana, este vinho é a combinação de 4 regiões italianas: 40% Primitivo (Puglia), 30% Montepulciano (Abruzzo), 20% Nero D’Avola (Sicilia) e 10% Merlot (Veneto), GA - 14%, R$ 87,00, um vinho muito agradável e de fácil de harmonizar.

Cred não nos abandone.


Taba

domingo, 20 de agosto de 2017

Uvas Autóctones - Credvinho

Data: 16/08/2017
Local: Madeleine jazz bar
Tema: Uvas  Autóctones
Apresentação: Nivaldo

Felizmente temos elementos novos se incorporando a nosso grupo e Nivaldo e Teresa não só chegaram como já participaram deste encontro tanto na escolha do tema como do local que agradou demais a todos.
Sabemos que uvas autóctones são uvas nativas de um país, permanecendo consumidas, por vezes, exclusivamente nos países de onde são originárias. 
A Itália é o país que possui o maior número de uvas autóctones: 377.



Boca

O vinho de boca foi Simcic Marjan Rebula 2014, Eslovênia, 2014. É a uva mais importante do país, com vinhedos antigos, plantados em terraços, sendo, portanto, a colheita manual. Está próxima à fronteira da Itália, numa área ensolarada que recebe os ventos do Mediterrâneo. A vinícola é de 1860, estatizada durante o período comunista e em 1988 retornou ao controle da família.
Este vinho envelhece em barricas de carvalho por 23 meses, coloração palha, intensidade média com reflexos dourados. Notas cítricas de maçã verde e ervas. Final longo. R$ 150,00. Agradou a todos.

Degustação




1- Notios Red. Vinho grego produzido na região de Neméa, com a uva Agiorgitiko, pela Vinícola Gaia, fundada em 1994. Vinho jovem, sem passagem por madeira, com coloração violeta intensa. Aroma de frutas negras e sabor elegante e frutado com final macio e redondo. GA 13,5%. R$ 130,00. Foi o quarto escolhido.

2- Modello Rosso Delle Venezie IGT, 2013, cepas Refosco e Raboso. A uva Refosco já era celebrada no século I e consta que era o vinho preferido de Lívia, esposa do Imperador Augusto. A uva Raboso significa raivosa por  seus taninos agressivos e acidez. Masi é uma vinícola do século XVIII. Este é um vinho de sabor jovial, frustado, límpido e de coloração rubi brilhante. GA 12%. R$ 55,00. Foi o terceiro escolhido.

3- Mastro Rosso IGT, 2014, cepa Aglianico que é a grande uva da Campania. É uma das mais antigas uvas autóctones da Itália. Vinho tânico, jovem, sem passagem por madeira, com aromas de morangos e cerejas e com toque de ameixas no retrogosto. GA 12,5%.  R$ 90,00.  Foi o segundo escolhido.

4- Kadette Cape Blend, 2012, África do Sul, pinotage, cabernet sauvignon, merlot, cabernet franc. Os vinhos de Pinotage são intensos e encorpados e utilizados para produzir o Cape Blend, típico da Região do Cabo. GA 14%. R$ 100,00. Foi o escolhido da noite.

Jantar

Nosso jantar teve 5 livres escolhas incluindo massa, peixe, camarão, risoto, todos muito saborosos e aprovados.




O vinho que nos acompanhou foi o Lá Ciboise Luberon 2012, do Vale do Rhone, composto pelas uvas Syrah e Grenache, da vinícola M. Chapoutier. GA 14%. R$ 80,00.

Tivemos mais pessoas interessados em partilhar dos vinhos desta degustação e, para isto, ampliamos nossa reunião para 18 confrades.
O local foi agradabilíssimo e o serviço ótimo. Para finalizar tomamos um Limoncello com Madeleine, regado a uma banda de Jazz. DIVINO.
Boa noite.
Até setembro.

Vera 

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Vinhos Portugueses - Credvinho

Credvinho 19 de julho 2017
Local:Créperie Wine Moments
Tema:Vinhos Portugueses


Nossa reunião foi preparada e apresentada por Rogério que abordou o tema com muita propriedade contendo dados muito ilustrativos em relação às diferentes regiões vinícolas portuguesas.



Como vinho de Boca degustamos o Comenda Grand Rosé produzido na Adega do Monte da Comenda Grande e constituído pelas castas Alfrocheiro e Touriga Nacional. Vinho Regional Alentejano de cor salmão, aromas de frutos vermelhos.Vinho seco e equilibrado. R 85,00. Agradou a todos.

Degustação:




1-Cascas Seleção Enólogo
Vinho Regional de Lisboa do produtor Casca Wines, composto das castas Syrah, Aragonez e Castelão. As uvas são desengaçadas e esmagadas diretamente para a cuba. De cor vermelho com aromas de especiarias e frutos vermelhos. Equilibrado, medianamente encorpado com um final persistente. GA 13,5%. R 63,25. Foi o terceiro a ser escolhido.

2-Quinta das Maria Lote
Vinho da histórica vinícola do Dão DOC do produtor Peter Eckert, composto das castas Touriga Nacional, Tinta Roriz, Jaen e Alfrocheiro. Estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês de segundo e terceiro uso. Aroma delicado com fundo mineral. Na boca frutado com final longo. GA 13%. R 180,00. Foi o quarto a ser escolhido.

3-Monte Cascas Reserva 2012
Vinho da região do Douro do produtor Monte Cascas, composto das castas Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Sousão.O Monte Cascas não tem adega própria sendo seus vinhos produzidos nas melhores adegas do país. Tinto complexo com bom potencial de envelhecimento. Cor vermelha profunda com aroma de fruta preta e cereais. Encorpado com estrutura firme e elegante. GA 13,5%. R156,40. Foi o segundo a ser escolhido.

4- Comenda Grande Reserva Tinto 2012
Vinho da região do Alentejo do produtor do mesmo nome, composto das castas Alicante Bouschet e Trincadeira. Cor granada intensa e aroma fino e complexo de frutas maduras. Taninos suaves com final de boca prolongado e persistente. GA13,5%. R 250,00. Foi o primeiro a ser escolhido.


Jantar:




Comemos um delicioso crepe regado de H.O. Achado Tinto do produtor Horta Osório Wines, composto das castas Touriga Franca, Sousão e Touriga Nacional. Vinho com aromas vivos com caráter frutado e floral. De cor viva com boa profundidade. GA 13,5%. R 71,30.

Foi um encontro muito agradável e parabéns ao Rogério pela apresentação e escolha do local e vinhos.

Até agosto

Vera

quarta-feira, 19 de julho de 2017

109 - Cluvinho


Cluvinho - Julho 2017
Tema: 109
Local: Ecully Bistrot


Muitos quando viram este tema ficaram com duvida, mas ao mesmo tempo confiantes, um outro me disse “Não gosto de surpresas”. Mas entre mortos e feridos, todos saíram satisfeitos, isto aconteceu no dia 18/07, no excelente Ecully. Bem, vamos ao tema 109: aconteceu por incrível que pareça, consegui 5 exemplares (um de cada país, inclusive o espumante de entrada) com o preço de R$ 109,00, isto nos dá a boa equiparação do famoso custo/beneficio. Todos os vinhos importados pela Grand Cru.  



Abrimos com um ótimo espumante Villa Crespia DOCG italiano da região da Lombardia sub-região Franciacorta, feito pelo método clássico, corte de chardonnay e pinot noir, ótima persistência, fresco e boa acidez, GA - 12%.


LEYDA SINGLE VINEYARD SYRAH CANELO 2013 - Espetacular chileno do Vale do Leyda, 100% Syrah, 3 a 6 meses em barril de carvalho, rubi intenso, aroma e sabor de frutas vermelhas, muito equilibrado, GA - 14%, primeiro na preferencia.

CHURCHILL’S ESTATE 2013 - Fabuloso portugues do Douro, este tinto com corte de Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz, 12 meses em carvalho francês, rubi intenso, frutas negras (cereja, amora e ameixa) na boca e nariz, GA - 13,5%, terceiro na preferencia, um vinho ainda muito novo.

ARROCAL 2014 - Um bom espanhol de Ribera del Duero, 100% Tempranillo, 12 meses em carvalho, rubi escuro, cereja e ameixa muito presente, bem equilibrado, GA - 14%, quarto na preferencia.

CHATEAU DE L’OU 2013 - Um ótimo francês da região Languedoc- Roussillon, corte de Syrah e Grenache Noir, rubi, aroma de ervas e terra, na boca frutas vermelhas, bem equilibrado, uma grande surpresa, GA - 14,5%, segundo na preferencia.

O jantar foi o magnifico, leitão com purê de mandioquinha e cebola caramelizada, imbatível, para acompanhar escolhemos o equilibrado Dante Robino Bonarda 2015, de Mendoza, 4 a 6 meses em carvalho, preço R$ 69,00, harmonizou muito bem, vale registrar o excelente atendimento comandado pelo Isaque.

Cred não nos abandone.

Taba

domingo, 25 de junho de 2017

Vinhos de Inverno - Credvinho

Credvinho - Junho de 2017 (21/06/2017)

LOCAL: Restaurante NOU 

TEMA: Vinhos de Inverno

Com a queda da temperatura o vinho ganha espaço tanto em casa quanto nas reuniões, num restaurante, nos encontros românticos.

A estação pede pratos quentes e mais encorpados como sopas, fondues, risotos e carnes.

Para harmonizar com estes pratos os vinhos também devem ser mais encorpados e com maior teor alcoólico, uma vez que desde a boca já transmitem uma sensação de calor ao corpo.

Em geral, os que possuem estas características são os tintos que devem ser servidos na temperatura de 16 a 18 graus. Mas, não podemos nos esquecer de brancos com maior corpo e que poderiam ser servidos não a 8 ou 10 graus mas sim a 12.




Escolhemos para a degustação 4 vinhos varietais emblemáticos de vinhos encorpados, com taninos expressivos e cor intensa:

Malbec-Argentina(COT –França)

Os vinhos argentinos tem coloração mais intensa, são mais estruturados do que os franceses, sua terra de origem. Chegou na Argentina em 1868 tendo hoje 26000 há, sendo a maioria em Mendoza, no vale de Lujan de Cuyo em altitudes de 800 a 1100m.vinhos complexos, muita fruta.

Tannat-Uruguai

Uva mais típica do Uruguai que foi trazida ao país por volta de 1870 por imigrantes Bascos sendo de origem francesa da região de Madiran no sudoeste frances.

Uva potente, cheia de caráter, muitas vezes muito tânica e muita acidez

O nome Tannat provém de dialeto Tanat que significa colorida como Tan em referência à sua cor escura das berries e ao seu tanino expressivo.

No Uruguai é também chamada de Harriague, nome do Basco que trouxe a primeira muda.


Grenache –França/Côte du Rhone

É a segunda cepa mais plantada na França após merlot. Representa muito bem o vinho Chateau Neuf du Pape.

Bagos pequenos, polpa espessa o que confere aos vinhos tanino e cor.

Herbáceos e ricos em especiarias, alto teor alcoolico.


Sangiovese Grosso/Italia/Toscana

Cepa importantíssima na Italia com muitos nomes e origens.

Chama-se também Brunello ou Sangiovese Grosso onde se produz o famoso Brunello de Montalchino.

Vinhos de alto teor alcoolico, muito corpo, cheio de fruta e ótima acidez.

A DEGUSTAÇÃO 




Para os vinhos de boca e jantar escolhemos vinhos do mesmo produtor sendo um branco e um tinto sendo os dois blend:

Boca:

Quinta de Saes branco 2015 da região do Dão,elaborado com as cepas Encruzado, Mavasia fina e Cercial, resultando num vinho mineral,fresco,e com presença de fruta tropicale cítrica.

Vinhos da degustação

Escolhemos 4 varietais, 2 do Velho Mundo e 2 do Novo mundo.

1-DV Catena Malbec - Malbec 2012 de Catena Zapata, Mendoza, Argentina, 14%vol.
Vinho considerado um dos melhores malbecs da Argentina.Colheita manual, 12 meses em carvalho francês e envelhecimento por mais de 10 anos.
Complexo, muita fruta e longo no palato.
Agradou e foi o eleito da noite.R162,81

2-Rio de Los Pájaros,Tannat Reseva 2013 de Pisano,Uruguai, 14%vol.
Pisano é considerado o maior produtor do Uruguai, bodega fundada em 1914.São 4 irmãos que trabalham artesanalmente pequenas quantidades de vinhos de alta qualidade.
Aroma intenso e agradável de fruta com notas de canela e cogumelo.No palato é rico e encorpado.Adistringente. Sua cor intensa se justifica pelo próprio nome Tan de tingir, de tanino.
Foi o terceiro escolhido da noite.R81,24.

3-Rasteau,Grenache,2013 de M.Chapoutier,Rhône,França,14%vol.
Um grande vinho da Côte du Rhône onde Chapoutier é um dos grandes nomes, tendo sido por várias vezes considerado o enólogo do ano.Os vinhedos são cultivados organicamente e apresentam baixos rendimentos.A colheita é manual.
Foi o quarto escolhido da noite.R169,61

4-Sassoalloro IGT ,Sangiovese 2011, Castelodi Montepó/Jacobo Biondi Santi,Tosacna,Itália,13,5%vol.
Vinho moderno e exuberante, delicioso, rico e profundo, cheio de fruta, ótima acidez.
Foi o segundo a ser escolhido. R 232,84.

Os vinhos foram muito apreciados e os preferidos foram o DV Catena e o Sassoalouro e pela primeira vez nenhum dos confrades escolheu a sequencia final do grupo.Isto faz parte do mágico mundo do vinho.

Jantar:

Como jantar tivemos um pato delicioso, derretendo e acompanhado de purê de mandioquinha e um spaghetti à   carbonara, todos deliciosos, acompanhados por Quinta de Saes Tinto 2013 da região do Dão, elaborado com as cepas Touriga Nacional, Tinta Roriz, Afrocheiro e Jaen. Este foi o Best Buy por Jancis Robinson.

Pato com purê de mandioquinha


Spaghetti à carbonara


E um cafezinho para terminar esta noite deliciosa.

Obrigada ao Nou pela simpatia e eficiência.

Confrades, até julho.

Vinho não tem férias e Rogério vai nos provar isto.

Até lá,

Vera

sábado, 24 de junho de 2017

MOVI **** Segundo Jorge Lucki - Cluvinho

Cluvinho - Junho 2017
Tema: MOVI **** Segundo Jorge Lucki
Local: Restaurante Genova


Antes de mais nada vamos explicar o tema, MOVI (Movimento das Vinícolas Independentes) do Chile, criado em 2009, é formado por vinícolas boutiques com o objetivo de promover produtos de origem local, preservando a qualidade e a identidade da região onde foram produzidos. São raros no Chile, pois a maioria é exportado para 15 países. 

Nossa reunião aconteceu dia 20/06 e desta vez de uma forma diferente; não houve o vinho de entrada, normalmente branco ou espumante, e a degustação foi com cinco amostras. Todos os vinhos, tanto da degustação como do jantar, eram tintos, dentro do tema e importados pela LA CHARBONNADE. Importante decanta-los pelo menos 1/2 hora antes. Todos receberão pontuação bem equilibrada.



TRABUN LIMITED EDITION SYRAH 2009 - Da região Cachapoal, 100% Syrah, DC - 91 ptos., 20% 6 meses em carvalho francês e 14 dias em tanques de aço inox, grená, toque de amora e oliva verde, guarda 8 a 10 anos, GA - 14%, preço R$ 139,90, **** segundo JL. Quinto na preferência.

BUSTAMANTE MANTUM 2007 - Da região Maule, corte de 65% Cabernet Sauvignon, 22% Carménère, 25% Merlot e 8% Syrah, DC - 94 ptos., 6 meses em carvalho francês novo e 12 meses nas caves, fermentação em tanque inox, colheita manual, rubi violáceo, toque de frutas vermelhas e pimenta, GA - 14.5%, preço R$ 190,00, ***(*) segundo JL. Primeiro na preferência.

RUKUMILLA GOLDEN BREST BLEND 2008 - Da região Maipo, corte de 32% Syrah, 30% Cabernet Sauvignon, 23% Malbec e 15% Cabernet Franc, 60% em carvalho francês novo e 40% em tanques de inox, rubi violáceo, toque frutas vermelhas e pimenta, GA - 13,2%, preço R$ 246,00, **** segundo JL. Terceiro na preferência.

MELI DUEÑO DE LA LUNA 2009 - Da região Maule, 100% Carignan, DC - 91 ptos. 6 meses em carvalho francês de 3o. uso e um ano em aço inox, rubi, toque de frutas vermelhas, guarda 10 a 15 anos, GA - 14,5%, preço R$ 236,00, ***(*) segundo JL. Quarto na  preferência.

CLOS ANDINO GRANDE RESERVE CARMÉNÈRE 2015 - Da região Curicó, corte 85% Carménère, 10% Cabernet Sauvignon e 5% outros, DC - 91 ptos., rubi violáceo, toque de ameixa, cereja e oliva verde, guarda 10 anos, GA - 13%, preço R$ 129,90, ***(*) segundo JL. Segundo na preferência.

Para acompanhar o maravilhoso antipasto e o fettuccine ao ragu de ossobuco tomamos o CACIQUE MARAVILLA CÔT PIPEÑO 2014 da região Yumbel, um corte de côt (malbec), país (uva de origem chilena) e cabernet sauvignon, DC - 94 ptos.. Não é filtrado e nem gotejado, é super orgânico, rubi, toque de fumo e lírio, GA - 13,1%, R$ 89,90, ***(*) segundo JL, bem gastronômico.    

Cred não nos abandone.


Taba

terça-feira, 23 de maio de 2017

Castas e regiões inusitadas - Cluvinho

CLUVINHO - MAIO 2017

TEMA - CASTAS E REGIÕES INUSITADAS

LOCAL - NOU RESTAURANTE

Nossa reunião ocorreu no dia16/05, com vinhos da importadora WINELANDS, abrimos com um magnifico branco da Romênia, do produtor Aurelia Visinescu, da casta FETEASCA ALBA, não passa por madeira, muito elegante e agradável, GA - 12%, preço R$ 99,90, vale a pena  comprar.



PARALELLA RED CUVÉE 2012 - Este tino da Croácia é produzido por Krauthaker com um corte de Merlot, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Pinot Noir, passa 12 meses em carvalho, um vinho de acidez elevada e não parece que estagiou em carvalho, GA - 12,5%, preço R$ 117,00, ficou em quarto na preferência, quase unanime.

BIO MAVRUD RUBIN 2013 - Um ótimo vinho tinto da Bulgária, produzido por Edoardo Miraglio Winery com as castas MAVRUD e RUBIN, passa por madeira, é um vinho bio, muito equilibrado e agradou muito, GA - 13,5%, preço R$ 114,90, e ficou em segundo na preferência. 

SHABO CLASSIC SAPERAVI 2014 - Excelente vinho da Ucrania, produzido por Shabo (suíço) com a casta SAPERAVI (origem Georgia), passa por madeira, vinho fácil de ser apreciado, GA - 13,5%, preço R$ 127,00, ficou em terceiro na preferência.     

NEMEA GRANDE RESERVA 2008 - Um vinho tinto grego pronto com personalidade, bem estruturado, produzido por Cavino com a casta AGIORGITIKO, 24 meses em carvalho francês e americano, GA - 13,5%, preço R$ 146,90 e foi o preferido da noite

Para acompanhar o carro chefe casa, o bife a milanesa ou o risoto de funghi, escolhemos o vinho PITARS CLASSICA REFOSCO DAL PEDUNCULO ROSSO DOC 2015, um italiano do Friuli, produzido por Pitars com a casta REFOSCO de maturação tardia, GA - 13%, preço R$ 89,90, ótimo custo/beneficio.

Credo não nos abandone

Taba


domingo, 21 de maio de 2017

Vinhos da Africa do Sul - Credvinho

CREDVINHO MAIO 2017

LOCAL: La Frontera 

TEMA: África do Sul


Sugi nos apresentou esta região maravilhosa  que possui 53 milhões de habitantes, oitavo produtor de vinho no mundo e sexto exportador. 



Nosso vinho de boca : 
Um chenin blanc da região de StellenboschNeethlingshof Wine Estatet, 2016, 13,5%, amadurecido em tanques de aço inox sobre as borras finas, R 73,00. 
Vinho com bastante acidez, fruta moderadaPoderíamos julgar um misto de chardonnay e sauvignon blanc. Agradou bastante. 




Degustação: 

1-Neethlingshof EstateStellenbosch, 2013, Shiraz, 14,5%.Este vinho passou 14 meses em barricas de carvalho, tem um potencial de guarda de 7 anos.Cor rubi, na boca frutas e especiarias. R 94,00 
Foi o segundo a ser  escolhido 
2- Fleur du Cap unfilteredStellenbosch, pinotage, 2015, 14,5%, amadurecido em barricas de carvalho por 12 meses, tem potencial de guarda de 8 ano.  Cor rubi claro, aroma de borracha e couro. R 64,60 
Foi o primeiro a ser escolhido. 
3-Allesverloren, Swartland, 2013, Shiraz, 13,5%. Este vinho passou em barricas de carvalho, tem um potencial de guarda de 7 anos .Ainda jovem, tem muito a desenvolver. R 76,00 
Foi o terceiro a ser escolhido. 
4-Bonanzi Terroir SelectionSimonsberg Paarl, Marianne Wines, 2012, pinotage, 14,5%, amadurecido por 18 meses em barricas de carvalho, com potencial de guarda de 10 anos. R 168,00 
Foi o quarto a se r escolhido. 
Nesta degustação tivemos 2 Pinotage e 2 Shiraz com características diversas o que dificultou bastante suas identificações. 


Tivemos um jantar delicioso com escolha para 3 pratos: 





Bife a milanesa na brasa, file de peixe com legumes e nhoque com molho de gorgonzola, todos deliciosos. 
Para acompanhar nosso jantar degustamos um Marianne Selena, Stellenbosch, 2011,  blend de cabernet sauvignonmerlot e pinotage, 14,5%, com 12 meses em barricas de carvalho e potencial de guarda de 6 anos que agradou a todos. R 75,00 
Para sobremesa tivemos um delicioso sorvete com figos frescos  . 
Camila foi quem nos acompanhou e ilustrou com seus comentários sobre os vinhos. 
Uma noite muito gostosa. 
Ate junho 
Vera 

As últimas aqui no blog