In Memoriam Credidio Rosa (4/9/1938 - 6/8/2014)

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Shiraz Chilenos


CLUVINHO - NOVEMBRO 2013
LOCAL - GRAND CRU MOEMA
TEMA - SHIRAZ CHILENOS (com pegadinha)

Este evento ocorreu no dia 19/11 e foi colocado um vinho nacional Shiraz, para lembrar uma de nossas primeiras degustações com o tema Vinhos Shiraz do Mundo, onde uma Shiraz Terra Nova da Miolo safra 1999 foi o segundo na preferência do grupo.
A abertura se deu com um Leyda Chardonnay 2012, muito apreciado por todos, preço R$ 78,00.


LEYDA SINGLE VINEYARD SHIRAZ CANELO - Este é um vinho 100% Shiraz, safra 2011, visual grená-rubi intenso, aroma de cereja negra e oliva verde, na boca suculento, prolonga no paladar, RP - 92, GA - 14,5%, preço R$99,00 e foi escolhido o preferido do grupo.

TERRA NOVA TESTARDI - Também 100% Syrah, safra 2012, terroir Vale do São Francisco - BA, coloração rubi intensa com traços violáceos, aroma de ameixa negra e marzipan, na boca boa persistência e muito untuoso, 12 meses em carvalho francês, fermentacão malolática, GA - 14%, preço R$81,00 e foi o terceiro na preferência.

SANTA RITA MEDALLA REAL SYRAH - Vinho 100% Syrah, safra 2010, Valle del Limari, coloração rubi intensa, aroma de ameixa e oliva verde, na boca bem equilibrado e boa persistência, 12 meses em carvalho francês, GA - 14%, preço R$105,00, foi o quarto na preferência do grupo.

KOYLE ROYALE SYRAH - Este vinho possue 93% Syrah, 7% Malbec, safra 2009, Vale Conchaga, visual rubi intenso, aroma de cereja negra, na boca textura sedosa e longo final, 18 meses em carvalho francês, GA - 14,5%, preço R$105,00, foi o segundo na preferência.

No jantar duas opcões ótimas um risoto e uma massa bem acompanhada pelo vinho Tabali Reserva Chileno Syrah 2010, preço R$45,00, a Decanter deu 5 estrelas.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Yes, nós temos história

Os nossos grupos de degustação começaram, oficialmente, no ano de 2000, quando o amigo Cachich sugeriu o nome de Cluvinho para o mais antigo deles, e na ocasião foi aceito por unanimidade (eu e ele). Mas, antes, em 1998 eu comecei a postar na internet algumas dicas cujo tema era sempre o vinho, e daí veio o nome deste blog. Fomos recolher algumas fotos do passado para compor este álbum. Divirtam-se.

Vinícola Robert Mondavi (Napa,1998)
Avaliação Nacional de Vinhos safra 99 (Bento Gonçalves, 1999)

Primeira reunião formal do Cluvinho (2000)

Segundo aniversário do Cluvinho (2002)

Viagem ao Chile (2003)

Terceiro aniversário do Cluvinho (Embu das Artes, 2003)


Turma no Porãozinho (2004)

Quarto aniversário do Cluvinho (2004)

Quinto aniversário do Cluvinho (2005)

Sexto aniversário do Cluvinho (2006)

Depois tem mais.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Credvinho - Vinhos da Espanha

CREDVINHO - OUTUBRO 2013
LOCAL - KYLIX
TEMA - VINHOS DA ESPANHA


Desta vez fizemos um giro pela Espanha, regiões de Rioja até Ribera del Duero e analisamos as 2 cepas mais representativas: Tempranillo e Granacha.
Nosso encontro foi no Kylix e contamos com a ajuda simpática e competente de Eliza e o parecer de Simon. Tivemos 3 convidados: Glória, esposa do Karpinskas, Bruno, filho da Sílvia e Roberto, meu cunhado.


Nosso vinho de boca foi o Ophalum Albarino 2011, 100% Albarino, pertencente ao DO Rias Baixas. Pertence à moderna adega Paco &Lola.Teor alcoólico de 12,5%. De cor amarelo esverdeado, aroma frescos de frutas. Na boca é seco, fresco e equilibrado. R$ 72,50
Agradou muito e seguindo o pedido do Bira abrimos 2 garrafas.
Para acompanhar nosso vinho de boca tivemos uma caponata, manteiga temperada, pão e azeite.

Vinhos de nossa degustação:

1- Diez Caballero 2006, 100% Tempranillo, Rioja, 14%, 16 meses em carvalho francês e americano. No nariz frutas maduras, no paladar taninos vivos e sedosos, sabor chocolate. R$ 76,00
Foi o quarto de nossa escolha.

2- Alta Vina Alberdi, 2005, 100% Tempranillo, Lá Rioja Alta,12,5%, 24 meses em carvalho americano. Complexo e intenso, destaque para frutas vermelhas maduras com notas de menta. Encorpado e rico com boca intenso e persistente. R$ 163,00
Foi o campeão da noite.

3- Ontanon Crianza 2009, 10% Granacha e 90% Tempranillo, Rioja,13%, 12 meses em carvalho americano e francês. De um rubi vermelho turvo com nariz com especiarias e toques balsâmicos. Saboroso, suculento com frutas nobres.R 86,00
Foi o segundo na escolha do grupo.

4- Punto y Coma, 2009, 100% Granacha, Calatayud DO, 14%, 9 meses em carvalho francês, 90 pontos RP e 5 estrelas no Gui Penin. Aromas de cereja e creme de Cassis, com suculento final. R$74,40.
Foi o terceiro colocado da noite.

5- vinho do jantar: Salamandra 2010, 100% Tempranillo, Castilla e Leon, 13,5%. Vinho equilibrado de nariz frutado e boca gorda com notas de chocolate e leve tostado. R$56,50.

6- Vinho de sobremesa- Jerez El Candado, 100% Pedro Ximenez, de Jerez,18%. Envelhecido longamente com uma média de 10 anos de idade, denso, com sabor defumado, chocolate, tâmaras e frutas secas. 90pontos RP.


Este vinho vem acompanhado de um cadeado que foi aberto por nosso chefe Credidio e acompanhou uma deliciosa torta de chocolate com sorvete.

Para jantar tivemos como opções do Accanto um arroz de lentilha e chorizo e tortillha de espinafre e salmon. Tudo muito bem apresentado e gostoso.


Foi uma reunião alegre e o papo se estendeu até bem tarde.
Um abraço,
Até novembro,
Vovó Vera

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Dica do Gustavo - Vale dos Vinhedos

Nossa visita ao Vale dos Vinhedos foi maravilhosa! Todas as dicas que você deu foram muito boas!

Valduga: Hospedagem excelente, com ótimo café da manhã. O curso de desgustação de vinhos também foi muito bom para conhecer as dependências da casa, além de termos tido a oportunidade de degustar seis vinhos e um espumante. O vinho top que nos deram foi o Vila Lobos.

Miolo: Passamos umas duas horas lá, mas também foi legal para conhecer o interior, além de provarmos quatro vinhos diferentes (além dos belos descontos na loja). O vinho top que nos deram para degustar foi o Lote 43.

Pizzato: Diria que foi a visita mais "caseira", onde fomos muito bem recebidos e ficamos bêbados já às 11 da manhã. Nos deram dez vinhos tintos e três espumantes para degustar! O top da casa foi o DNA99.

Almaúnica: Não estava no roteiro original, mas paramos lá para conhecer. Compramos um vinho premium delicioso deles (mas ficamos somente uns 15 min).

Restaurantes: o Mama Gemma é imbatível... ótimo preço e ótimo atendimento. Almoçamos duas vezes lá!

Obrigado mais uma vez pela ajuda!

Gustavo Delfini dos S. Conrado 

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Cluvinho - vinhos espanhóis

CLUVINHO - SETEMBRO 2013
LOCAL - GENOVA RESTAURANTE
TEMA - ESPANHÓIS DO JUAN




Esta degustação aconteceu no dia 17/09, e com sempre acontece o mês de setembro é reservado para os vinhos espanhóis do Juan, da importadora Almeria. Os trabalhos foram abertos com a Cava Claverol, razoável, a acidez estava muito marcante, talvez prejudicada pela temperatura. Posteriormente, no final da reunião foi servido um Cava bem gelado que se mostrou corretamente, então bem apreciada sua qualidade.

Degustação

LA TRIBU 2010 - Um tinto da região de Valencia, sendo um corte Garnacha, Monastrel Cabernet Sauvignon, Petit Verdot e Syrah, visual grená, aroma mineral, retrogosto marcante e encorpado, GA - 14%, preço R$ 83,00, segundo na preferência.

BIGA DE LUBERRI 2010 - Produzido pela familia Monge Amestoy, da região de Rioja, 100% Tempranillo, visual grená, aroma fechado e levemente floral, nenhuma persistência, álcool marcante, GA - 13,5%, preço R$ 100,00, terceiro na preferência.

PUNTO Y COMA 2009 - Tinto produzido por Castillo de Maluenda, região de Catayud, 100% Garnacha, visual grená, aroma de cereja (licor) e esmalte, na boca sem expressão, GA - 14%, preço R$ 78,00, quarto na preferência.

CASA CISCA 2010 - Produzido pela Familia Castaño, região Yecla, 100% Monastrel, visual grená, aroma de amoras negras e cereja, ótima estrutura e equilíbrio, GA - 15%, preço R$ 320,00, o primeiro na preferência.

O jantar foi um Penne com ricota e linguiça calabresa, e foi servido um Chateau Boujeau La Grave (Bordeaux).

Taba

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Brunello vs. Rosso di Montalcino


CREDVINHO - 18 SETEMBRO 2013
LOCAL – GENOVA
TEMA: BRUNELLO VS. ROSSO DI MONTALCINO

Neste mês saímos de Portugal e fizemos uma paradinha na Itália para uma degustação curiosa e prazerosa: provamos às cegas 2 Brunellos e 2 Rossos di Montalcino.

Antes da degustação falamos um pouco sobre as características desses vinhos.

O município de Montalcino tem 24.000 hectares (ha) sendo 3.500 ha ocupado por vinhas. Desse total, 2.100 ha são dedicados ao Brunello di Montalcino DOCG e 510 ha ao Rosso di Montalcino DOC. 890 ha são dedicados a outros vinhos.

Características comuns ao Brunello e Rosso di Montalcino:

- Produzidos em Montalcino (Toscana) a partir da uva Sangiovese que é chamada de Brunello em Montalcino

- Engarrafamento: só pode ser feito na área de produção em Montalcino
- Embalagem: apenas em garrafas tipo Bordeaux.
Enquanto o Brunello, destina-se ao longo envelhecimento (10 a 30 anos ou até mais) o Rosso di Montalcino é um vinho mais jovem que está pronto para se beber logo após 1 ano da colheita.

O Brunello tem um envelhecimento mínimo de 2 anos em tonéis de carvalho e tem que envelhecer em garrafa por no mínimo 4 meses (6 meses para o Reserva) e somente estará pronto para o mercado a partir de 1º de janeiro, 5 anos após a colheita (ou 1º de janeiro 6 anos após a colheita para o Reserva). 

O Rosso tem envelhecimento de 6 meses em carvalho e estará pronto para o mercado já a partir de 1º de setembro do ano seguinte à colheita. Assim sendo fica menos em contato com o carvalho e como tal é menos tânico.

O Brunello é produzido a partir das vinhas mais velhas do produtor e o Rosso a partir de vinhas mais novas, tendo assim menos complexidade que os Brunellos.

Como o Rosso di Montalcino precisa ficar menos tempo em carvalho, os produtores acabam liberando-o para venda num tempo mais curto e assim ele acaba gerando fluxo de caixa enquanto o Brunello envelhece.

Outra diferença entre eles, sem dúvida é o preço. Os Rossos di Montalcino custam 1/3 a ½ do preço de um Brunello.

Para a nossa degustação selecionamos 2 Brunellos e 2 Rossos.

Antes da degustação preparamos o palato com um Valdadige Pinot Grigio Santa Margherita (R$59,90) .

Degustação:



1 - Brunello Di Montalcino Camigliano - DOCG 2007 
Apresentou uma cor vermelha rubi intenso com aromas de frutas escuras, couro, chocolate, tabaco. No paladar mostrou-se encorpado, com boa acidez, taninos macios e bem estruturados e final longo e complexo. Teor alcoólico: 14.5%. Sugestão de Guarda: 10 anos. Harmonização típica com carnes vermelhas grelhadas e assadas, ensopados e queijos maduros. Foi escolhido como o segundo melhor vinho da noite. R$215,00.

2- Camigliano Rosso di Montalcino 2011 
Visual rubi intenso. No olfato aromas de frutas escuras, tabaco e chocolate. Na boca foi elegante, concentrado, bem estruturado e final bastante longo. Teor Alcoólico: 14 %. Potencial de guarda de 5 anos. Harmonização com massas com molho de tomate, costeleta de cordeiro, aves e queijos como o Gouda. Foi escolhido como o melhor vinho da noite. R$89,90.

3-Rosso di Montalcino Fattoria Dei Barbi - 2010 
Visual vermelho rubi brilhante. No olfato aromas de cereja com notas em pimenta negra e tabaco. Na boca, rico em sabores, bastante frutado com final de boca fresco e longo.
Teor alcoólico 13,5%. Potencial de guarda de 5 anos. Harmonização com massas com molhos consistentes, à bolonhesa e pratos à base de carnes vermelhas, cabrito, polpetone e queijos duros como o Pecorino e Taleggio. Foi escolhido como o quarto melhor vinho da noite. R$89,90.

4 - Brunello di Montalcino Barbi - DOCG 2007 
Visual com halo de evolução pequeno e castanho, límpido e brilhante. No olfato aromas de groselha, amora, framboesa, chocolate e alcaçuz. Na boca o álcool não incomodou. Seco com boa acidez, pequeno amargor, corpo médio, tanino finos, persistência longa. Teor alcoólico 14%. Tempo de guarda: 10 anos. Harmonização com refeições como javalí defumado, massa com manjericão e azeite, bruschetta. É o chamado típico Brunello. Foi escolhido como o terceiro melhor vinho da noite. R$199,00

Jantar

O nosso jantar foi um belo Polpetone à la Genova e o vinho do jantar foi um Sangiovese Maremma Toscana (R$44,98). Outra parte boa do jantar foi que tivemos a presença do nosso mestre Credidio. Presença sempre agradável e esperada.

Até o mês que vem.

Jair Rodriguez


quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Vinhos Avaliados 93 / 94

CLUVINHO: 20 agosto de 2013
LOCAL: GRAND CRU Moema
TEMA : VINHOS AVALIADOS 93 /94
Caros amigos, grandes vinhos com avaliações altas, selecionados pelo Taba da lista de recentes ofertas e compras do CLUVÃO.
Para abrir a reunião fazendo a boca foi degustado: Don Olegario Albariño 2011 - WS91, R$ 89,00. Muito apreciado pelos participantes.
Foram degustados:
1. TARIMA HILL MONASTRELL 2010 - RP93, R$ 100,00
2. CASAJUS VENDIMIA SELECIONADA TEMPRANILLO 2010 - RP94, R$ 110,00
 3. ZORZAL FIELD BLEND 2010 - RP94, R$ 139,00
 4. VITICCIO CHIANTI CLASSICO RISERVA DOCG 2007 - WS93, R$ 144,00
Foi escolhido como preferido o Tarima Hill, seguido de perto, em segundo, pelo Zorzal Field Blend.
Em seguida, o Casajus Vindimia Selecionada e o Viticcio.
Agradecemos ao pessoal da Grand Cru Moema e em especial ao Mauricio que executou, com perfeição, o serviço.  
Abraço, Credidio

domingo, 25 de agosto de 2013

Uma Noite Portuguesa


CREDVINHO - 21 AGOSTO 2013
LOCAL – GRAND CRU MOEMA
TEMA: UMA NOITE PORTUGUESA



Como sempre, fomos muito bem recebidos no Grand Cru Moema e o Eduardo Nogueira nos apresentou seu novo Master Sommelier Mauricio Costa que nos atendeu com muita eficiência e simpatia.
Para criarmos o clima para a degustação conversamos um pouco sobre Portugal e algumas de suas características na área de vinhos.

Portugal tem 160 km de largura por 560 km de comprimento, num total de 92 090 km². Área equivalente ao estado de Santa Catarina que possui 95.346 km².

Portugal tem mais de 300 castas diferentes.

Lá há o conceito de uvas misturadas, que são uvas diferentes plantadas num mesmo local, uma do lado da outra. Douro e Dão são as regiões que têm mais vinhas misturadas.

As vinícolas de Portugal são em grande quantidade e em geral, muito pequenas. Em média: 1 hectare ou menos. As 5 maiores vinícolas de Portugal juntas, não dá 9% do total da produção do país.

Portugal sofre 3 principais influências climáticas:

- Influência Atlântica: com temperaturas moderadas, ventos frescos e úmidos, pluviosidade elevada.

- Influência Mediterrânea: que vem do sul. Gerando verão quente e seco e invernos amenos.

- Influência Continental: que vem da Espanha, com elevadas amplitudes térmicas (+45º C a -10º C) e pluviosidade fraca a moderada.

Portugal tem :

- 31 regiões DOC/DOP

- 14 Vinhos regionais (IG ou IGP) (Indicação Geográfica Protegida)

- Vinhos de mesa que são feitos apenas de uvas viníferas

Uma faceta interessante é a de muitos nomes curiosos de vinhos portugueses: Bucho, Chaminé, Bigode, Paciência, Escorna Bois, Anta da Serra, Porta da Rua, Vinha do Putto, Bastardo, Pó de Poeira, Cabeça de Burro, Estopa, Mosca,...

Para a nossa degustação selecionamos 4 vinhos de regiões distintas: Douro, Dão, Tejo ( Ribatejo até 2009) e Alentejo.

Antes da degustação e durante o bate-papo começamos com um Falcoaria Branco DOC 2010, varietal da uva Fernão Pires, do produtor Quinta do Casal Branco do Tejo com GA 13%. O vinho se mostrou elegante e persistente agradando bastante. Seu preço é R$63,00.

Degustação:



Monte da Raposinha Athayde Grande Escolha 2009

Produtor Monte da Raposinha. Alentejo. Corte: Syrah, Touriga Nacional, Aragonês e Alicante Bouschet. Envelhecido 14 meses em barricas novas de carvalho francês. GA 14% Mostrou-se um vinho com olfato frutado, especiarias e com o tempo na taça apresentou um floral e chocolate. Em boca confirmou o frutado e boa acidez. O vinho está em evolução e deve melhorar com mais alguns anos de garrafa. O produtor sugere que ele evoluirá, calma e progressivamente até 2016. Foi considerado o terceiro melhor vinho da noite. R$128,00


Falcoaria Reserva Tinto DOC 2007

Produtor Quinta do Casal Branco na região do Tejo. Composição: Castelão, Trincadeira, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional, Petit Verdot e Alicante Bouschet. Envelhecido 12 meses em barricas novas de carvalho francês e 4 meses em garrafa. Cor Rubi. Desde o início da degustação mostrou-se fechado e assim continuou ao longo dela. Apresentou notas de frutos vermelhos maduros, frutos secos e silvestres e especiarias. É um vinho encorpado, com média acidez e com taninos médios e suaves. Foi considerado o quarto melhor vinho da noite. R$105,00

Quinta do Noval Cedro do Noval 2007 | 90 RP / 92 WS

Produtor Quinta do Noval. Região do Douro. GA: 14,5%. Envelhecido em barris de carvalho francês. É o segundo vinho da Quinta do Noval, e é elaborado com 30% Touriga Nacional, 25% Touriga Franca, 10% Tinto Cão e 35% Syrah (por isso mudou a denominação para Terras Durienses no lugar da DOC Douro). O Syrah o tornou mais perfumado e com a fruta mais aberta. O final é mais suculento. Foi considerado o segundo melhor vinho da noite. R$118,00


Quinta das Estrémuas 2005

Produtor Quinta das Estrémuas . Região do Dão. 100% Touriga Nacional 13º G.A. Envelhecido 12 meses em barricas de carvalho francês. Cor: Vermelha muito forte com tons violeta e alguns reflexos de cor púrpura. Seu aroma é complexo e requintado de frutos silvestres bem maduros aliados a notas violeta e chocolate. Passagem de boca com harmonia, sabor profundo e com alguns taninos ainda presentes em final médio/longo com estrutura aveludada e marcante. Foi escolhido como o melhor vinho da noite. R$139,00

Jantar

O nosso jantar foi um elogiadíssimo Risotto de Bacalhau à Beira Alta com Lingüiça Toscana e como alternativa um belo Risotto de Aspargos com Queijo Brie. 



O vinho do jantar foi o Perescuma Colheita 2009 do produtor Perescuma da região do Alentejo. GA 14,6% - Corte de 79% Syrah, 8% Alicante Bouschet, 8% Aragonês e 5% Cabernet Sauvignon. Aroma intenso de frutos vermelhos e na boca com suas características de frutas maduras e taninos macios acompanhou muito bem os risottos. R$ 52,00



Para sobremesa tivemos um Vesúvio de Chocolate com calda de Porto e como não podia deixar de ser encerramos com um bom vinho do Porto, o Quinta do Noval Tawny do produtor Quinta do Noval da região do Porto. Corte Tinta Roriz, Touriga Francesa, Tinta Barroca. 3 anos em madeira. GA 19,4%. Leve, macio e elegante que ao apresentar notas de nozes e frutas secas acompanhou muito bem a sobremesa. 

Como comentado na degustação, quem não foi não sabe o que perdeu. Os vinhos foram apreciados por todos e vários disseram que gostariam de ter todos esses vinhos em suas adegas. O papo animado foi até bem tarde.

Até o mês que vem.

Jair Rodriguez

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Autóctones Tintas Raras da Itália


CLUVINHO - JULHO 2013
LOCAL - SANTO COLOMBA
TEMA - AUTÓCTONES TINTAS RARAS DA ITÁLIA


 No dia 16/07 fizemos uma degustação de castas raras, num dos melhores restaurantes de São Paulo, comandado pelo Chefe Alencar e gerenciado pelo filho Junior, todos os vinhos degustados são importados pela DECANTER, sendo que a Vanessa Vecchioni da Enoteca nos ajudou na escolha dos vinhos.

 Abrimos com um maravilhoso FALAGHINA 2009, da casta branca de mesmo nome, produzido por Villa Raiano, da Província de Benevento na Campania, classificado como Falanghina Beneventano IGT, GA - 13%, um vinho de ótima acidez, aromas de frutas como pera, macã, denso, elegante, simplesmente um vinho espetacular, preço R$ 103,75, guarda 3 anos, sem madeira. Recomendo fortemente.

 LAGREIN ALTO ADIGE 2010 - Um tinto do Alto Adige da casta Lagrein, produzido por ELENA WALCH, um DOC, fermentacão tradicional em barris de carvalho esloveno, maceração por 20 dias, malolática, 14 meses em carvalho, cor rubi intenso, aromas de amora, cereja e musgo, na boca um vinho leve, taninos suaves, GA - 13%, preço R$ 90,50, para quem aprecia um Pinot Noir esta casta tem uma leveza similar, ficou em terceiro na preferência.



 FOJA TONDA 2004 - Produtor Albino Armani, casta Foja Tonda da região veneta, classificação Vallagarina IGT, esta região fica próxima ao Lago di Garda, sendo que uma parte no lado trentino e esta na parte veneta, esta era uma casta em extincão recuperada por Armani, também chamada de Casetta, 16 meses em carvalho, baixa produção, 10 anos de guarda, cor rubi intenso, aromas de ameixa seca e tabaco, na boca agradável com taninos equilibrados, GA - 13%, preço R$ 113,70, ficou em quarto na preferência do grupo.

 RESECA 2006 - Produzido por Gulfi, casta Nerello Mascalese, vinho siciliano da cidade de Randazzo ao norte do Etna, um IGT, solo vulcânico, pedra-pome, produção de apenas 3500 garrafas, malolática, após 24 meses em barris de carvalho, 2 a 3 anos em garrafa para depois colocar no mercado, guarda +15 anos, cor rubi transparente, aromas de casca de laranja e ameixas, na boca um ataque inicial adocicado, taninos nobres, GA - 13,5%, preco R$ 227,70, segundo na preferência,

 SERISÈ ROSSO TOSCANO IGT 2007 - Produtor Cesani, casta Ciliegiolo, um vinho toscano de San Gimignano, solo calcáreo, fermentação em tanques de concreto, 12 meses em carvalho francês, 6 meses em garrafas antes de sair ao mercado, cor rubi intenso, aromas de cereja, cravo e balsâmico, na boca um leve ataque adocicado, elegante, taninos marcantes não agressivos, final longo, 8 anos de guarda, GA - 14%, preço R$ 139,15, foi o primeiro na preferência.

Todos os vinhos de ótima qualidade, elegantes e prontos para serem apreciados.

 O jantar como sempre um show de sabores bem italianos produzido pelo chefe Alencar, inicialmente uma Bresaola Italiana e como prato principal um Stracotto no vinho Barolo com Polenta, só de lembrar me traz os sabores na boca, e o vinho para acompanhar, dica da Vanessa, foi um Syrah Siciliano 2009 do produtor Fatascia, guarda de 4 anos, GA - 13,5%, cor rubi profundo, aroma de cerejas, na boca muita fruta e persistente, sem madeira, preço R$ 61,10, ótimo custo/beneficio.

Taba

sábado, 20 de julho de 2013

Cepas pouco conhecidas - Credvinho

CREDVINHO - JULHO 2013
LOCAL: KYLIX
TEMA: CEPAS POUCO CONHECIDAS

Prezados confrades,

Esta foi uma reunião bastante esperada pois jogos de futebol e passeatas impediram por 2 vezes que nos encontrássemos. Mas, desta vez nem Corinthians x São Paulo nos venceu!


Foi no Kylix onde contamos com a ajuda do Simon e Elisa e nosso tema foi: Cepas pouco conhecidas.

Nosso vinho de boca foi Albiano Clássico 2010, Itália, casta Verdicchio dei Castelli di Jesi da região de Marche. Estágio de 6 meses em tanque de aço e 3 meses em garrafas. 12,5% álcool. Amarelo palha e deliciosa fragrância de flores amarelas e frutas como melão. Bom corpo. Harmoniza-se muito bem como aperitivo e Elisa nos ofereceu um delicioso azeite Castanho onde mergulhamos nossos . R52,00. Muito apreciado por todos.


Lacrima di Moeeo d'Alba
Nosso primeiro vinho degustado foi Rubico 2010, Itália, da casta Lacrima di Morro d'Alba, de difícil cultivo, tendo apenas 7 hectares plantados no mundo. Sua pele fina muitas vezes se rompe e o suco escorre como lágrimas, daí seu nome.13% álcool. Vinho versátil com aroma de lichia e rosa, tanino sedoso e bastante acidez. Acompanha muito bem uma pizza. R$74,10. Foi escolhido em quarto lugar.

Pinotage
Nosso segundo vinho foi Namaqua Pinotage, 2010, África do Sul, casta Pinotage, 14,5% de álcool. Sabor de frutas vermelhas, toque de carvalho com um defumado agradável. Acompanha muito bem um cordeiro assado.R54,70. Foi escolhido em terceiro lugar.

Tinta Grossa
Nosso terceiro vinho foi Paulo Laureano Selection Grossa 2009, Portugal, da casta Tinta Grossa. Esta casta só existe numa única cidade de Portugal, Vila de Frades, macio e gordo na boca, em 5 hectares de plantio e produção de 550 garrafas/ano. Aroma de coco, macio e gordo na boca, elegante e equilibrado. 14% . R$163,70. Foi o grande escolhido da noite.

Graciano
Nosso quarto vinho foi Eme Casado Morales 2007, Espanha, de Rioja, da casta Graciano. Uva de baixo rendimento, parente da Monastrell, revelando cor cereja escura de um vinho alegre com corpo e vivacidade.Aromas explosivos de frutas, especiarias e Taninos doces devido aos tostados da barrica. R$ 136,70. Foi o escolhido em segundo lugar.

O Chef Haddad do Accanto nos preparou um Rigatoni ao molho de calabresa defumada, escarola e tomate fresco e um Brasato com purê de batatas.

Para acompanhar nosso jantar escolhemos o Valle Reale Vigne Montepulciano d'Abruzzo, Itália, da casta Montepulciano, 13,5% de álcool.Vinho jovem, fresco, que se harmonizou muito bem com os pratos sugeridos e que foi muito apreciado, sendo considerado de ótima relação custo/benefício. R$ 62,00.

Nossa degustação foi às claras com explicações individualizadas de cada casta por Elisa, que com sua simpatia e conhecimento enriqueceu muito nossa noite. Contamos com a presença de Beto, esposo da Silvia, e de Elizabeth, esposa do Pablo, que prometeu fortalecer o time feminino do Credivinho.


Nosso chefe Credidio não pode comparecer à degustação, mas chegou a tempo de jantar conosco.
Mais uma noite especial se foi e valeu esperar por ela!

Um abraço a todos,
Vovó Vera

quarta-feira, 19 de junho de 2013

De pernas para o ar

CLUVINHO - JUNHO 2013
LOCAL - GRAND CRU MOEMA
TEMA - DE PERNAS PARA O AR


Os que acompanham os nossos comentários vão achar que eu enloqueci com este tema, porém quem está ficando louco ao redor do mundo são alguns produtores. Nesta degustação tivemos vinhos produzidos com uvas autóctones, não muito populares de um certo país, sendo produzidas em outro país, por exemplo tivemos a uva Nero D'Avola (siciliana) produzida no Alentejo/Portugal, a casta Mencia espanhola produzida no DÃO/ Portugal. Bem, vejam os nossos comentários e notem que um terroir bem diferente produz resultados curiosos.

Abrimos com um ótimo Riesling produzido na Patagonia/Argentina por Humberto Canale, utilizando vinhas antigas, safra 2012, GA - 13,5%, importado pela Grand Cru, R$ 68,00, possui aroma mineral característico desta casta, na boca agradável e fácil de beber, com uma acidez muito suave.



RAVASQUEIRA FLAVOURS 2010 - Português importado pela Vinci, produzido no Alentejo com a casta Nero D'Avola por Monte das Ravasqueiras, fermentacão em lagares, 16 meses em carvalho francês, cor rubi intenso, aroma de cereja negra, na boca uma acidez marcante, boa persistência, lembra muito pouco um vinho siciliano produzido com esta casta, GA - 14%, R$ 165,00, foi o quarto na preferência do grupo.

BRADISSIMO 2006 - Italiano importado pela Mistral, produzido no Veneto com um corte de Carmenere e Cabernet Sauvignon pela INAMA, produção de apenas 2.000 caixas/ano, avaliado com 5 Grappoli pela Duemilavini, 15 meses em barricas novas, guarda 10 anos, cor rubi, aroma de especiarias, taninos macios, muito elegante, não parece com vinho de mesmo corte no Chile, GA - 14%, R$ 206,00, foi o segundo na preferência.

JAEN 2003 - Português importado pela Decanter, produzido no Dão com a casta Mencia (chamada em Portugal de Jaen) pela Quinta de Maias, um DOC, 9 meses em barrica, guarda 12 anos, vinho pronto para degustar, cor rubi, no nariz toques de alcacuz, madeira, na boca ótimo tanino e boa acidez, GA - 14%, R$ 166,00, terceiro na preferência.

PAZZO 2007 - Americano importado pela Vinci, produzido em Napa Valley pela Bacio Divino com 75% de casta Sangiovese e 6% com cada uma das castas Syrah, Cabernet Sauvignon, Petit Syrah e Viognier, avaliado com nota 89 por RP, cor rubi, aroma marcante de melado de cana e na boca macio, elegante deixando um leve adocicado no final, GA - 14,6%, R$ 186,00, o preferido da noite.

No jantar harmonizamos o espetacular Risotto com ragu de ossobuco e cebola caramelizada com um Escorihuela Gascon Sangiovese 2010, importado pela Gran Cru, GA - 13,5%, R$ 59,00, um vinho muito agradável para este tipo de prato.

Taba

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Cluvinho - Pinot Noir Novo Mundo


CLUVINHO - MAIO 2013
LOCAL - GRAND CRU MOEMA
TEMA - PINOT NOIR NOVO MUNDO

O mentor deste tema foi o confrade Conrado, e procuramos amostras diferenciadas, porém todos, sem exceção, possuiam aromas típicos de cerejas e amoras negras e na boca qualquer pessoa notaria que era um Pinot Noir, por sua tipicidade.

Para abrir tomamos um branco BROGLIO GAVI - 2011, italiano do Piemonte da uva Cortese e zero madeira, um branco muito agradável, na boca toques de lima e aroma leve mineral, GA - 13%, preço R$ 55,00, excelente custo/benefício importado pela Grand Cru.



CASA MARIN LO ABARCA HILLS 2007 - Chileno, importado pela Vinea, hoje quem importa é a Zahil, esta safra recebeu RP - 90, GA - 14,5%, R$ 225,00, foi escolhido o melhor da noite.

NEWTON JOHNSON 2009 - Sul-africano, vendido pela Venews, o guia Plattes deu 5 estrelas (nota máxima), GA - 13,5%, R$ 150,00, foi o segundo na preferência.

PEGASUS BAY 2009 - Nova Zelândia do Waipara Valley, importado pela Premium, esta recebeu WS - 89, GA -13,5%, R$ 240,00, foi o quarto na preferência

DE LOACH 2010 - Americano Californiano do Russian River Valley, importado pela Wine Experience, recebeu WS - 93, GA - 14,5%, R$ 225,00, foi o terceiro na preferência.

O jantar foi um ótimo Confit de Pato acompanhado de um risotto parmeggiano muito equilibrado nos sabores, para harmonizar o chileno LEYDA PINOT NOIR RESERVA 2011, excelente custo/benefício, importado pela Grand Cru, R$ 52,00. Como sempre uma noite perfeita proporcionada pelo time da Grand Cru Moema.

Taba

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Vinhos Supertoscanos


CLUVINHO abril 2013
Nossa reunião foi realizada na Grand Cru de Moema. Por sugestão do Figão, o tema foi vinhos da Toscana , mas somente os supertoscanos. Após sugestão do Eduardo (da Grand Cru ) e com consultoria do Taba, escolhemos 3 vinhos de uma mesma vinícola - La BRANCAIA . Além desse, escolhemos um vinho da Ornellaia, vinícola criada pelo Marchese Ludovico Antinori.
La Brancaia está localizada na zona do CHIANTI CLASSICO, possui vinhedos em Maremma, em Morelino di Scansano (aliás gosto muito dos Morelinos).
Ornellaia nasceu em 1981 pelas mãos de Ludovico Antinori que estabeleceu essa vinícola excepcional na costa de Maremma e plantando Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot que se adaptaram perfeitamente ao colo de Bolgheri. Em 2005 foi adquirida pelo grupo Frescobaldi que seguiu a mesma filosofia, mantendo os vinhos de excepcional qualidade.
Foram degustados na ordem de preferência, começando pelo mais votado como preferido (quase unanimidade) -14 votos de 15 participantes:
1- Brancaia Ilatraia Maremma IGT 2009, 60% Cabernet Sauvignon, 30% Sangiovese, 10% Petit Verdot, 14% de álcool, RP 89, preço R$ 310,00.
2- Ornellaia Le Serre Nouve IGT 2010, Bolgheri, 50% Merlot, 35% Cabernet Sauvignon, 9% Cabernet Franc, 6% Petit Verdot, 14,5% de álcool, RP 92, preço R$ 310,00.
3-Brancaia Il Blu IGT 2007, 50% Sangiovesi, 45% Merlot, 5% Cabernet Sauvignon, 14% de álcool, RP95, preço R$ 366,00.
4- Brancaia Tre , IGT , 2010, Toscana, 80% Sangiovesi, 10% Merlot, 10 % Cabernet Sauvignon, 12,5% de álcool, RP 90, preço R$ 75,00.
Todos excelentes VINHOS.


Para a comidinha: Risotto de funghi com costelinha de javali. Esplêndido. Parabéns ao chef Júlio.
Acompanhando o prato degustamos um Talenti Zirlo IGT 2011, Toscana, sul de Montalcino, Merlot, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot, preço R$ 42,00. Muito elogiado pelos participantes , tendo alguns levados algumas garrafas para casa. Agradecemos ao pessoal da Grand Cru pela, como sempre, calorosa acolhida.
Credidio ,16 abril 2013 

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Vinhos franceses do norte e do sul

Nossa reunião do CREDVINHO de abril foi no novo espaço AU VIN, de propriedade de um jovem casal muito simpático e bem intencionado, que nos recebeu muito bem e nos proporcionou momentos muito agradáveis.


Tivemos Jean Raquin que escolheu o tema vinhos franceses do norte e do sul, nos ensinando bastante sobre as uvas Pinot Noir, Syrah e Grenache e sobre a geologia das regiões de Champagne, Bourgogne e Côtes du Rhône.


Como vinho de boca degustamos um champagne blanc de noir, bastante apreciado, seguido de 4 vinhos sendo 2 Pinot Noir, 1 Grenache/Syrah e 1 Syrah. Nosso jantar foi risotto parmesão ou risotto de ragu de linguiça que estavam bastante saborosos.


Os vinhos foram:

1- Champagne Blanc de Noir, grand cru, de Michel Arnaud et fils, 100% pinot R$ 250,00
Champagne

2- Mercurey, de François Raquillet 2009, Chambéry rouge AIC mercurey, 2009 , 100% pinot,13,5% álcool, R$ 120,00
Bourgogne

3- Clos Salomon, Givry 1 er Cru , 2007, 100% pinot, 13% álcool, R$ 140,00
Bourgogne

4- Râsteau Vielles Vignes, Domaine Grand Nicolet, grenache 95% /syrah, 14% álcool, R$ 90,00
Côtes du Rhône

5- Château de Valcombe, garance, 100% syrah, 15% álcool, R$ 100,00
Cotes du Rhône

6- Jantar - Mas de Cadenet, grenache, syrah, cabernet sauvignon, R$ 75,00
Côtes de Provence


O Syrah foi o vencedor da noite quase que por unanimidade , seguido do Grenache/Syrah, Clos Salomon e em quarto o Mercurey.

Podemos observar que o grupo optou por vinhos de mais corpo, com maior teor alcoólico e com passagem por barrica de carvalho.

Um grande abraço e até maio.

Abraços,
vovó Vera



quarta-feira, 27 de março de 2013

Vinhos Brancos do Friuli - Venezia Giulia


CLUVINHO - MARÇO 2013
LOCAL - RESTAURANTE GENOVA
TEMA - VINHOS BRANCOS DO FRIULI - VENEZIA GIULIA

Esta degustação é aquela que podemos chamar de completamente diferente de qualquer outra. Primeiro pelas uvas autóctones da região, segundo pela forma de preparação destes vinhos, terceiro por ser a terceira região da Itália em produzir vinhos e alta qualidade, as outras duas primeiras são Piemonte e a Toscana e finalmente por produzir pequenas quantidades e DOCs precisos.



Abrimos a nossa degustacão com um vinho simples da F-VG, do famoso produtor Livio Felluga, importado pela Mistral, SHARIS safra 2009, é um corte de Ribolla Gialla e Chardonnay, produzido em barricas de aço inoxidável com controle de temperatura, colheita manual, maturação de 6 meses, zero madeira e até 10 anos de guarda, cor de casca de lima da pérsia, aromas cítricos, na boca toques cítricos, acidez equilibrada e ótimo frescor, GA - 12,5%, preço R$ 105,30, vinho muito apreciado pelos confrades.


RIBOLLA GIALLA GRAVNER 2005 - Este é um vinho que podemos dizer que não é para qualquer boca, da região Friuli - Collio - Oslavia, sendo que metade dos vinhedos ficam na Eslovenia, classificado como um IGT, 100% de uva Ribolla Gialla, produção de 18.000 garrafas, cultivo natural, colheita manual no final de setembro, após o desengace, as uvas são postas para fermentar espontaneamente em ânforas de terracota, trazidas do Cáucaso, de 2 metros de alturas, enterrados no solo e maceração por 7 meses sem controle de temperatura, apenas realizando periódicas pigeages e após isto são colocadas e cubas de carvalho esloveno por 3 anos, estimativa de guarda 15 anos, o método de vinificação é o mesmo usado a 5.000 anos atrás.
Deixamos oxigenar 90 minutos e mesmo assim se apresentou fechado, de cor rosé amaderado, aromas com uma citricidade leve e especiarias, na boca lembra um Jerez seco, porém muito delicado, mineralidade com longa persistência, GA - 13%, preço
R$ 375,00, importado pela Decanter, vinho premiadíssimo, ficou em terceiro na preferência.

ZIDARICH VITOVSKA 2009 - O produtor é o nome do vinho e Vitovska é a uva autóctone, produzido na região Friuli - Carso - Duino no Prepotto, classificado como um DOC, produção de 10.000 garrafas, 100% da uva Vitovska, colheita manual na ultima semana de setembro, Desengace total, maceração e fermentação em cubas de madeira. Fermentação espontânea a partir de leveduras indígenas, sem controle de temperatura com múltiplas pigeages durante o dia. Malolática e amadurecimento durante 24 meses em carvalho esloveno, guarda até 10 anos. Coloração dourada, não completamente límpida, aroma de pêssego, favo de mel, frutas cítricas, na boca toque de limão com mel, longo final, GA - 12%, preço R$ 216,00, importado pela Decanter, ficou em quarto na preferência, um vinho diferente e interessante.

PINOT GRIGIO DESSIMIS 2006 - O único da noite produzido por uva não autóctone, produzido por Vie di Romans com 100% de uva Pinot Grigio, recebeu RP -91ptos. e WS - 92 ptos., importado pela Mistral, maturação de 7 meses com borras e leveduras e não faz malolática, guarda de até 10 anos, coloração amarelo claro esverdeado, aromas cítricos, na boca muito agradável e fresco com boa persistência, GA - 12,5%, preço R$ 184,10, foi o preferido da noite.

DOLÉE TOCAI FRIULANO 2006 - Do produtor Vie di Romans, produzido com 100% da uva autóctone Tocai Friulana, vinho avaliado com 92 pontos por RP e pela WS, importado pela Mistral, de coloração amarelo claro esverdeado, aromas cítricos e abacaxi, ótimo equilíbrio na boca e muito rico, GA - 13%, preço R$ 176,00, foi o segundo na preferência.

No jantar o João serviu um ótimo risotto de pancetta com radicchio e para harmonizar o vinho servido foi o espanhol Mil Campos Viñas Viejas 2009, da região de Ribera del Duero e avaliado com 92 ptos por RP, GA - 13,5%, preço R$ 49,00.

Taba

sábado, 23 de março de 2013

Habemus Bons Vinhos Argentinos


Credvinho
DATA – 20/03/2013
LOCAL – RESTAURANTE GENOVA


O começo de nossa reunião foi inédito, pois tivemos a oportunidade de curtir junto com a vovó Vera a foto de sua bela netinha Mariana e brindamos à sua saúde.

No início do mês de março o Credidio nos solicitou que pensássemos num tema para a degustação do Credvinho para este mês. Como eu havia acabado de ler um artigo com recomendação de uma longa lista de belos vinhos argentinos, propus o tema.

Por uma grande coincidência poucos dias depois (13/3) o Papa Francisco foi eleito e ele era argentino. Daí, o nome do tema para este mês.

A melhor loja para contemplarmos a lista de vinhos foi a Bacco’s de Higienópolis, onde fomos muito bem atendidos.

Para prepararmos o palato e colocarmos a conversa em dia, antes da degustação começamos com um Zuccardi Serie A 2011 - 50% Chardonnay 50% Viognier. É um vinho branco amarelo palha puxando para o dourado e que apresenta aromas de frutas como abacaxi maduro, pêssego, damasco e cítricos. O vinho apresentou frescor, mineral com acidez no ponto certo e um final relativamente persistente. GA – 13,6%. Preço: R$65,40. É um vinho simples e agradável. 
Degustação:



Caro 2007 - Um corte de 60% Cabernet Sauvignon e 40% Malbec, com estilo bem francês. Considerado por muitos um dos vinhos mais elegantes da Argentina. O produtor é a Bodega Caros (Catena & Château Lafite-Rothschild). Parte das barricas de carvalho utilizadas são produzidas no próprio Château Lafite, o que confere ao vinho um acento de Bordeaux. Para Jancis Robinson, o Caro "tem algo vivo de uma boa safra de Lafite que o eleva e distingue de outros Malbec de Mendoza". Para Robert Parker, ele "oferece uma adorável profundidade de fruta e é altamente focado, detalhista e elegante". É de um tinto rubi, com aromas de frutas maduras (ameixa e cereja). Na boca é macio e com taninos redondos e acidez refrescante. GA- 14% - Estimativa de guarda de mais de 10 anos. Preço: R$166,20. Foi escolhido como o melhor vinho da noite.

Kaiken Ultra Cabernet Sauvignon 2009 - Produtor: Kaiken, da região de Mendoza. Este potente tinto mostrou um perfil típico dos grandes Cabernet Sauvignon, com frutas vermelhas e notas de tabaco, em um conjunto elegante e equilibrado. Medalha de Prata no reputado "Internacional Wine Competition". Suas uvas são Cabernet Sauvignon 90% e Malbec 10% . A safra de 2009 recebeu a avaliação WE 91. Estimativa de guarda: 05 anos. GA - 14,5%. Preço: R$78,60. Foi considerado o segundo melhor vinho da noite.

Achaval Ferrer Malbec 2011 - Varietal Malbec. Região:Mendoza ( Luján de Cuyo, Valle de Uco e Medrano). Esse Malbec é a linha de entrada da vinícola Achaval Ferrer. Vermelho púrpura. Nariz sedutor, com grande intensidade e pureza, revelando notas florais, de frutos vermelhos e negros maduros (como cereja e framboesa), especiarias e sutis nuanças de madeira. Boca gostosa, suculenta, densa, com taninos super aveludados, sabores frutados e puros, ótimo frescor e alta persistência. É encorpado sem perder a elegância. Com tempo no copo mostrou ainda mais a sua complexidade. GA – 14,5%. Preço: R$84,10. Foi considerado o terceiro melhor vinho da noite.

Mendel Unus 2007 - É um corte da região de Mendoza, com uvas 70% Malbec, 30% Cabernet Sauvignon . De cor vermelho intenso com tons violáceos, possui aromas frescos de ameixas, amoras e cerejas pretas e cassis. Notas de madeira como chocolate e caramelo tostado. Na boca, possui taninos finos e redondos. É um vinho estruturado, complexo, elegante e equilibrado. GA – 14%. Preço: R$130,00. Foi considerado o quarto melhor vinho da noite. 

Jantar 

Para o jantar, o João da Genova, preparou duas alternativas: Fettucini com Braciola e Fettucini com Tomate Fresco e Gergelim. Estavam ambos excelentes. Para acompanhar o jantar escolhemos mais um vinho da nossa lista especial de argentinos: La Posta Cocina Blend 2009. É um corte: Uvas: 60% Malbec, 20% Bonarda, 20% Syrah. Um vinho de Mendoza, que mostrou ótima complexidade e um delicioso toque sedoso no palato. Uma ótima relação de qualidade preço: R$47,50.






Foi mais uma reunião prazerosa, da qual com certeza, até o Papa Francisco sairia satisfeito: belos vinhos argentinos, belas massas à moda italiana e um grupo muito coeso e animado. 

Até o mês que vem.
Jair Rodriguez

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Vinhos da Córsega

DATA - 21/02/2013

LOCAL - RESTAURANTE GENOVA

TEMA - VINHOS DA CÓRSEGA

Nesta degustacão (Cluvinho) procuramos colocar uvas autóctone da Córsega e diferentes produtores. Os vinhos da degustação são importados pelo EMPÓRIO SORIO situado na Pompéia, onde há vários produtos da ilha, sendo que Sorio é o nome de uma região da Córsega. O vinho do jantar, também da Córsega, foi importado pela Decanter e considerado o melhor do ano pela Prazeres da Mesa.

Abrimos os trabalhos com um excelente branco, TERRA NOSTRA VERMENTINU 2011, um varietal da uva autóctone Vermentinu, que no continente é chamada de Vermentino, porem possui um aroma e sabor diferente da cepa continental. Cor ouro esverdeada, aroma cítrico e na boca muito agradável com uma acidez equilibrada e toque de mel, GA - 12%, preco R$ 59,30. Agradou a todos.



CUVÉE FELICE NIELLUCCIU 2006 - Um tinto muito complexo, precisa ser decantado, ao longo da degustação foi obtendo um crescimento muito positivo. Produzido por ORENGA DE GAFFORY, na DOC de Patrimonio. é um varietal 100% da uva Niellucciu, que é uma uva autóctone, mas considerada a mesma casta da Sangiovese da Toscana. Um visual grená intenso, no inicio aroma de frutas vermelhas, na boca com o passar do tempo mostrou-se com muita personalidade, maceração de 25 a 30 dias e de 12 a 18 meses em tanques de inox, GA - 13,5%, preço R$ 135,00 e foi o terceiro na preferencia.

ORENGA DE GAFFORY NIELLUCCIU/GRENACHE 2007 - Um tinto com corte de 90% Niellucciu e 10% Grenache, um vinho sem expressão, aroma leve de herbáceos, cor grená, na boca não se mostrou marcante, maceração de 15 a 20 dias e fermentação em tanques de inox após fermentação malolática, GA - 13,5%, preço R$ 115,00 e foi o quarto na preferencia.

UMANI TINTO CABERNET SAUVIGNON/SCIACCARELLU 2011 - Um vinho tinto com corte de 70% de Cab. Sauv. e 30% da uva autóctone Sciaccarellu, que é muito usada para produzir os roses da ilha, com Cinsault, Grenache e Carignan. Cor rubi intenso, aroma de melado e compota de frutas vermelhas, bem equilibrado, durante a degustação sofreu alterações, corpo médio, mas faltou algo, GA - 12,5%, preço R$ 63,00, foi escolhido o segundo da noite.

DOMAINE VILLA ANGELI TINTO 2007 - Um corte de 90% Niellucciu e 10% Grenache, as uvas são vinificadas separadamente, é um AOC Corse da costa oriental, cor grená, aroma herbáceo, na boca toque de madeira, meio corpo, GA - 12%, preço R$ 83,00 e foi escolhido como o melhor da noite.

OBS - Todas as amostras no momento inicial o álcool se mostrou muito marcante e que foi com o tempo equilibrando.

No jantar o nosso amigo João serviu um taglarini ao profumo di bosco, uma bela pasta com funghi porcini, o vinho do jantar foi o PINOT NOIR VdP L'ILE DE BEAUTÉ, produzido por Francois Labet,, 12 meses em barrica de carvalho francês de segundo uso, guarda de 4 anos, GA - 12%. Harmonizou bem com o taglarini. Preço R$ 57,50.

Taba

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Vinhos do hemisfério Sul


Nossa primeira reunião de 2013 (Credvinho) foi na Kylix com o tema Hemisfério Sul .Os vinhos foram escolhidos na própria Kylix, com a ajuda de Simon e de Eliza.

Nosso vinho "boca" foi um chardonnay Australiano "New Moon",safra 2009, da família Westminster que cultiva diferentes uvas em pequenas terras espalhadas no sudoeste da Australia. Teor alcoólico de 13%, com aroma floral e bem ácido.R$34,50.

1- Framingham Malborough Pinot Noir,2008, 13,5%, R$118,20
Este elegante Pinot Noir da Nova Zelândia, tem taninos flexíveis, sabores de ameixa,cereja e nuances terrosas.
Foi o escolhido da noite.

2- Villa Francioni Francesco,2006, 13,7%, R$ 80,00
Este vinho brasileiro, de São Joaquim, Santa Catarina, é um blend de merlot, cabernet franc, cabernet sauvignon, malbec e syrah.
Seu visual estava turvo com aromas oxidados.Foi nossa última escolha.


3-Katnook Estate Cabernet sauvignon 2006,13,5%, R$80,00
Este vinho Australiano do grupo Freixenet tem coloração vermelho intensa,aroma de fruta negra madura e notas de amoras silvestres lembrando um Bordeaux.É substancial e estruturado.
Foi nosso segundo colocado.

4- Avondale Jonty´s Ducks,2007,14%, R$ 97,60
Os vinhos africanos Avondale são cultivados ao pé das montanhas Klein Drakenstein e os patos são os responsáveis pela ingestão dos caramujos que aparecem nas vinhas e que seriam muito nocivos para o desenvolvimento das mesmas.70%syrah e 30% cabernet sauvignon, envelhecido por 12 meses em barris de 225litros.
Foi nossa terceira escolha.

Eliza deu algumas orientações sobre os vinhos comparando as caracteristicas de algumas cepas nos diferentes hemisferios.
Não só fizemos nossas escolhas como também tentamos identificar cada vinho.
Todos identificaram o Pinot vencedor!
Sentimos que nossas preferências tendem mais para os varietais do que para os blends.

Para o jantar Daniel nos preparou Gnocchi de mandioquinha com ragu de cordeiro ou peito de pato ao molho assado com pure de cenoura trufado e brócolis.Para acompanhar este gostoso jantar degustamos quatro garrafas do Australiano The Stum Jump 2010,14,4%, R 60,75 da região de Mclaren Vale,  produzido com as castas do sul da França: syrah, grenache e mouvedre. Vinho delicado, cheio de nuances com fruta agradável e muita especiaria.

Foi uma bela noite e para variar sentimos a falta de nosso super chef Credidio.
Até março,
abrs
Vera


As últimas aqui no blog