In Memoriam Credidio Rosa (4/9/1938 - 6/8/2014)

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Degustação de Dez de 2009 :: Champagnes Gosset

Caros amigos, este ano nossa tradicional degustação de fim de ano, realizada no Grand Cru de Moema (www.grandcru.com.br), foi um pouco diferente: foram apenas Champagnes, e de um mesmo produtor (Gosset).



Houve outras novidades – não foi às cegas, não houve votação de preferência e foram servidas finger foods especialmente escolhidas para harmonizar com cada garrafa.

O produtor, Gosset, está estabelecido desde 1584 em Aÿ, na região de Champagne.

Eis as amostras degustadas, em ordem de preço:

1 – Excellence Brut - 36% Chardonnay , 45% Pinot Noir, 19% Pinot Meunier, com 12% - R$198,00 – Acompanhada por Ostras Frescas

2 – Grande Reserve Brut – 43% Chardonnay, 42% Pinot Noir, 15% Pinot Meunier, com 12% - R$290,00 – Acompanhada por Mini Torradas com Cream Cheese

3 – Grand Rose Brut – 58% Chardonnay, 35% Pinot Noir, 0,7% Vin Rouge (PN), com 12% - R$348,00 – Acompanhada por Mini Torradas com Cream Cheese e Geléia de Amora

4 – Grand Millésime Brut 1999 – 57% Chardonnay, 43% Pinot Noir, com 12% - R$398,00 – Acompanhada por Mini Torradas com Gravitaks de Salmão

5 – Celebris Vintage Extra Brut 1998 – 64% Chardonnay, 36% Pinot Noir, com 12% - R$690,00 – Acompanhamento igual ao anterior.

Agradecemos ao Eduardo e equipe pela acolhida.

Até a próxima.

Freitas
Colaborou: Angelo

sábado, 19 de dezembro de 2009

Credvinho - Dez de 2009 :: Vinhos do Rhône



Fechando o ano de 2009 com vinhos da região do Rhône. Esse foi o tema proposto e aceito pelos membros do Credvinho. O local, foi a receptiva Grand Cru Moema do nosso amigo Eduardo(eduardo@grandcrumoema.com.brque junto com o Credidio escolheram os vinhos a serem degustados.



Os confrades do Credvinho se reuniram na “Grand Cru” (Al. Nhambiquaras, 614 – Moema, SP
Tel.: (11) 3624-5819) com o proposito de degustar às cegas os seguintes vinhos da região do Rhône:
DEGUSTAÇÃO ÀS CEGAS:
· HERMITAGE - 2006
· VACQUEYRAS - 2007
·CÔTES-DU-RHÔNE - 2007
· CHÂTEAUNEUF-DU-PAPE - 2007
JANTAR - CARDÁPIO:
Prato Principal: 
3 Risotos (Base do Risotto mais: Gorgonzola ao mel, Acafrão com amendoas flambadas no conhaque e Linguiça toscana com fungui)

VINHO:
Grand Bateau – Bordeaux 2006 (75% Sauvignon Blanc e 25% Semillon)
Humberto Canale - Estate – Patagonia-Argentina – Pinot Noir 2008 (muito bom!)

degustação às cegas dos vinhos selecionados, isto é, utilizando garrafas envolvidas em papel aluminio de tal forma que os degustadores não tem conhecimento do rótulo dos vinhos que estão sendo avaliados, produz resultados muitas vezes surpreendentes. Nem sempre o mais caro é o escolhido e o preferido por todos; isto valida velho ditado – o melhor vinho é aquele que você gosta.
Como de costume, após a finalização da avalição dos vinhos, o Credidio tabulou as notas dos confrades e tivemos como resultado a seguinte classificação:
1º) HERMITAGE - 2006
MAQUISE de la TOURETTE 2006. APPELLATION HERMITAGE CONTRÔLÉE – DELAS. Produzido e engarrafado por DELAS FRERES em TOURNON-SUR-RHÔNE-FRANÇA. O vinhedo se extende ao longo das communes no Drône: Tain-l’Hermitage, Crozes-Hermitage e Larnage. Produção media de 30.000 garrfas ano. Tinto. Casta: 100% Syrah (adição de até 15% de Marsanne ou Roussanne é permitido). Maturação dura cerca de 14 a 16 meses em baricas novas de carvalho. Teor alcoólico 13,5%. Preço corrente em torno de R$ 360,00.
2º) VACQUEYRAS - 2007
DOMAINE DES GENÊTS 2007. APPELLATION VACQUEYRAS CONTRÔLÉE – DELAS.Produzido e engarrafado por DELAS FRERES em TOURNON-SUR-RHÔNE-FRANÇA. Os vinhedos cobrem areas nas communes de Vacqueyras e Sarrians na base das montanhas Montmirail. Produção media de 30.000 garrfas ano. Tinto. Corte das castas:Grenache (70%), Syrah (20%) e Mourvedre (10%). Maturação de 30% do vinho realizada em baricas de carvalho e o resto é guardado em tanques para preservar os aromas de frutas. Teor alcoólico 14,5%. Preço corrente em torno de R$ 98,00. RP 90-92.
3º) CÔTES-DU-RHÔNE - 2007
SAINT-ESPRIT 2007. APPELLATION CÔTES-DU-RHÔNE CONTRÔLÉE – DELAS. Produzido e engarrafado por DELAS FRERES em TOURNON-SUR-RHÔNE-FRANÇA. O cuvée “Saint-Esprit”vem de um pequeno vale o qual fica aninhado na parte norte de Ardèche.
Produção media de 450.000 garrfas ano. Tinto. Castas: Syrah (20%) e Grenache (10%). Também tem maturação de 30% do vinho realizada em baricas de carvalho e o resto é guardado em tanques para preservar os aromas de frutas. Teor alcoólico 13,5%. Preço corrente em torno de R$ 55,00.
4º) CHÂTEAUNEUF-DU-PAPE - 2007
HAUTE PIERRE 2007. APPELLATION CHATEAUNEUF-DU-PAPE CONTRÔLÉE – DELAS. Produzido e engarrafado por DELAS FRERES em TOURNON-SUR-RHÔNE-FRANÇA.O vinhedo cobre quase toda commune Chateauneuf-du-Pape bem como parte da vizinhança (Bédarrides, Courthézon, Orange e Sorgues). Produção media de 15.000 garrfas ano. Tinto. Castas: Grenache (90%) e Syrah (10%) e. Maturação de 14 meses em baricas de carvalho. Teor alcoólico 15%. Preço corrente em torno de R$ 220,00.
Após a degustação, é chegada a hora do jantar. Resumindo: Vinhos excelentes, comida deliciosa e farta, amigos e mais o poder de agregação social do vinho per si, sempre marca esses momentos com belas lembranças e nos faz sempre querer mais. Evento perfeito. Maravilhoso. Parabens pela escolha.
Agradecemos à Grand Cru Moema por ter possibilitado a realização do evento.

Um grande abraço a todos e até a próxima.
Walter F. Brungnole

sábado, 21 de novembro de 2009

Degustação de Nov de 2009 :: Selecionados do Velho Mundo

Caros amigos, pela primeira vez fizemos uma degustação na loja de vinhos Portal dos Vinhos (www.portaldosvinhos.com), de nossos amigos Emilio e Fátima, no Morumbi.



A escolha e seleção foi elaborada pelo Léo, conjuntamente com Emilio, e o tema foi “Selecionados do Velho Mundo”.

Para manter o ritual fizemos a boca com um branco MAYU Estate Bottled 2008, com uva Pedro Ximenez, do Elqui Valley - Coquimbo – Chile, por R$ 48,00.


Vamos aos preferidos:

1º) Mouchão 2003 - Herdade do Mouchão - Alicante Bouschet e Trincadeira - Alentejo - Portugal - 14,5% - R$ 198,00 - Importador: Adega Alentejana.

2º) Cumal 2005 - Dominio Dostares - 100% Prieto Picudo - Castilla y León - Espanha - 14% - R$ 185,00 - Guia Penin = 91 pontos. Importador D'Olivino.

3º) Chateau Gaudin 2005 - Vincent Lataste - Grand Vin de Bordeaux - 70% C/S e 30% Merlot - A.O.C. Pauillac - França - 12,5%, por R$ 185,00. Importador D'Olivino.

4º) Tenuta Alzatura - Uno di Sette 2004 - Sagrantino di Montefalco D.O.C.G - 100% Sagrantino - Itália - 13,5% por 165,00 . Importador Casa Flora.

Agradecemos ao Emilio e Fátima pela receptividade em sua loja.

Abraços e até a próxima.
Cacha

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

:: Degustação de Out de 2009 :: Vinhos Espanhóis

O tema do encontro de 15/10/2009 foi “Vinhos Espanhóis” importados pela Peninsula Imp. Exp. Ltda. (www.peninsula.com.br), de nosso amigo Juan Rodriguez.



Os confrades do Credvinho e do Cluvinho se reuniram na “Confraria de Queijo & Vinho” (Av. Dr. Arnaldo 1318 – São Paulo). As atividades agendadas para este encontro foram:


DEGUSTAÇÃO ÀS CEGAS:


· Castilla y León – Cuvée Palomar 2001

· Ribera Del Duero – Pago de Santa Cruz 2003

· Ribera del Duero – Alonso del Yerro 2005

· Bierzo – Altos de Losada 2006



JANTAR - CARDÁPIO:
Prato Principal: A tradicional Paella preparada pelo Juan.


Vinhos:
Rueda – Verdejo 2008
Yecla – Castano 2007
Castilla y León – ALAIA 2005


Após grandes bate-papos, trocas de opiniões, sugestões e recomendações de vinhos, os confrades, após observarem atentamente cada etapa da preparação da Paella pelo Juan, resolveram trabalhar.


Passamos à degustação às cegas dos vinhos selecionados para essa noite. Após nossa tradicional avaliação, o Tabarelli tabulou brilhantemente as notas dos confrades e apontou o seguinte ranking:


1º) Altos de Losada 2006

Produzido e engarrafado por Losada Vinos de Finca S.A., Caída, Ponferrada, León, Espanha. Tinto, da região de Bierzo, varietal 100% Mencia. Teor alcoólico 14,5%. Preço corrente em torno de R$ 250,00.


2º) Pago de Santa Cruz 2003

Produzido e engarrafado por Bodegas Hermanos SASTRE SL, La Horra, Burgos, Espanha. Tinto Varietal da Ribera del Duero, feito da uvas Tempranillo. Teor Alcoólico 15,0% Vol. Preço corrente; cerca de R$ 429,00.


3º) Alonso del Yerro 2005

Produzido e engarrafado por Viñedos Alonso del Yerro S.L., ROA(Burgos), Espanha. Tinto da Ribera del Duero com teor alcoólico de 14,7% Vol. Preço corrente; cerca de R$ 258,00.


4º) Cuvée Palomar 2001

Produzido e engarrafado por Abadia Retuerta SA, Sardo de Duero – Valladolid, Espanha. Tinto da região de Castilla Y León, sendo um corte de uvas viníferas Tempranillo e Cabernet Sauvignon, envelhecido em barricas de carvalho. Teor Alcoólico 13,5 % Vol. Preço corrente em torno de R$ 400,00.

Após a degustação tivemos nosso jantar que foi nada mais nada menos que a já famosa Paella do Juan, acompanhada dos vinhos PROTOS, CASTANÕ e ALAIA.


Agradecemos à Confraria Queijo & Vinho por ter possibilitado a realização do evento e ao Juan pela deliciosa Paella.

Um grande abraço a todos e até a próxima.

Walter F. Brungnole


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Degustação de Set de 2009 :: Erasmo

Caros amigos, nossa reunião de setembro ocorreu na Casa do Porto
(www.casadoportovinhos.com.br) onde fomos recebidos pelo amigo Rodrigo & Cia.

O tema sugerido foi uma degustação vertical do Vinho ERASMO, safras 2001 a 2005.



Este vinho chileno tem a mesma composição de uvas e graduação alcoólica: 70% de Cabernet Sauvignon, 20% de Merlot e 10% de Cabernet Franc, todos com 14% de álcool, produzidos pela Viña La Reserva de Caliboro - Maulle.

Os preferidos foram:

1º) Erasmo 2004 - com as seguintes avaliações: WS 87 e RP 91, por R$99,00.

2º) Erasmo 2005 - com as seguintes avaliações: WS 90 e RP 91, por R$99,00.

3º) Erasmo 2001- com a seguinte avaliação: WS 88, por R$190,00.

4º) Erasmo 2002 - com a seguinte avaliação: WS 85, por R$160,00.

5º) Erasmo 2003 - sem referência, por R$120,00.


Após a degustação, no jantar, degustamos a Massa da Casa do Porto, que estava muito boa, regada ao Carpe Diem Carmenère 2006, 13,3%, por R$54,00.

Até a próxima

Cacha


quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Dica do Credidio em Porto Alegre

Estive, levado pelo amigo Osmar, num Bistrô em Porto Alegre que me encantou pelo atendimento, comida e preço do vinho. É o que foi comentado na Veja Porto Alegre. Espero que quem for lá, goste como gostei.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Dica do Taba - vinhos Gimenez Mendez (08/2009)

Hoje eu fui convidado, gentilmente pela Hannover, para um almoço no El Tranvia, onde foram apresentados os vinhos uruguaios da Bodega Gimenez Mendez.


Inicialmente foi servido um Sauvignon Blanc 2009 - Las Brujas, excelente pela acidez e frescor, aromas marcantes de frutas cítricas, goiaba e maracujá, cor muito clara, com 12,5% de álcool; na boca muito marcante e persistência bem prolongada e de ótimo custo benefício; às cegas, jamais diria que era um vinho Sauvignon Blanc uruguaio, sugiro comprar.


Em seguida a grande surpresa do evento, um Pinot Noir Alta Reserva 2008, um vinho pronto, de primeira colheita, 12,5% de álcool, intensos aromas silvestres, excelente acidez com ótima persistência e suavidade. Como todos sabem eu sou muito chato com os vinhos de uva Pinot Noir, mas este eu recomendo fortemente a compra, pois tem também um ótimo custo benefício.


Depois destas duas maravilhas iniciou a serie dos Tannat, inicialmente um "Chateauneuf du Pape Like", um vinho de nome Puzzle 2008 com 15 cepas diferentes, tendo 35% de Tannat, o qual é muito marcante, porém um bom vinho.


Ai vieram o Tannat Alta Reserva 2008, já com um paladar bem domado da uva Tannat, taninos equilibrados ou seja, bem elegante com 13,5% de álcool, eu recomendo a compra. Depois foi apresentado o Gimenez Mendez Tannat 2006, vinho que ainda vai evoluir na garrafa, creio que em dois anos estará bem melhor, no nariz muita fruta, ótimo para acompanhar carnes vermelhas.


Em seguida vieram os dois carros chefes da Bodega, o LYM Tannat-Tannat, esta denominação dobrada, pois são cepas de dois vinhedos distintos, Las Brujas e Montevideo, alguns colegas estão pensando que o L é de Las Brujas Y o M é de Montevideo, mas nao é', o L é Luis um dos irmãos enólogos Y o M é de Mauro outro irmão enólogo, aroma de chocolate e ameixas, de cepas selecionadas e bem encorpado, não é um Tannat, comum é bem diferenciado.


E por último o vinho emblemático da Bodega, Luis A. Gimenez - Super Premium 2006, um vinho muito encorpado, frutas vermelhas marcantes, do tipo que enche a boca, com 15% de álcool, rubi intenso e muito denso, sugiro comprá-lo, porém deve guardá-lo por mais uns 3 anos, é um vinho 100% Tannat, impressiona muito pela sua potência.


E por final foi servido um Licor de Tannat 2007, para quem não conhece eu poderia dizer que é um concorrente do licor de Cassis, vai bem misturado ao Creme de Papaya ou jogado sobre um sorvete de creme, tem 17,5% de teor alcoólico, combina técnicas de vinificação portuguesa e se utiliza de uvas colhidas maduras.

Em resumo, uma apresentação surpreendente

Taba


segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Degustação de Ago de 2009 :: Châteauneuf Du Pape

Nossa reunião de agosto ocorreu novamente na Grand Cru Moema, casa em que somos recebidos otimamente pelo Eduardo e seu grupo. O tema escolhido com toda pompa e circunstância foi "Châteauneuf Du Pape".



Para fazer a boca, iniciamos com um Châteu La Nerthe Branco 2006, com Grenache Branco 40%, Roussane 40%, Bourbonlenc 8%, Clairette 12%, - com 14%, WS 94 e RP 93, por R$ 195,00.

Os preferidos na degustação dos "Rouge" foram :

1º) Domaine Du Pegau 2005 - Cuvée Réservée - Paul Feraud et File - Grenache 80%, Syrah 17%, Mourvèdre e outros 3% - com 14% - WS 94, por R$ 322,00.

2º) Château La Nerthe Cuvée des Cadettes 2005 - Château La Nerthe S.C.A. - Vaucluse - Grenache 60%, Mourvèdre 30% e Syrah 10% - com 14,5% - WS 95 e RP 96, por R$ 533,00.

3º) Château De Beaucastel 2005 - Perrin et Fils - La Ferriere - Orange - Grenache 30%, Mourvèdre 30%, Syrah 10%, Counoise 10%, Cinsault 5% e Vaccarese e Muscardin - com 14% - WS 96 - Rank 8 dos TOP 100 da Wine Spectator, por R$ 501,00.

4º) Château La Nerthe Reserve 2005 - Château La Nerthe S.C.A. - Vaucluse - Grenache 55%, Syrah 17%, Mourvèdre 15, Cinsault 7%, Counoise 3% e outras 3% - com 14% - WS 91 e RP 91, por R$ 260,00.

Os Château La Nerthe e Domaine Du Pegau foram importados pela Grand Cru e o Chateau De Beaucastel pela World Wine La Pastina.

Após esta ótima experiência não poderia faltar no jantar a deliciosa massa da Grand Cru regada ao Tabali Viognier 2008.

Agradecemos ao Eduardo e seu grupo por mais esta oportunidade.

Até a próxima, Cacha.




quinta-feira, 23 de julho de 2009

:: Degustação de Jul de 2009 :: Bordeaux 2005

Nossa reunião de Julho de 2009 ocorreu novamente na Grand Cru Moema (www.grandcrumoema.com.br). 



Desta vez o tema foi Bordeaux 2005, com surpresinha do Taba que selecionou os vinhos conjuntamente com o Eduardo Nogueira (um deles era safra 2000).

Como sempre fomos muito bem recebidos pelo Eduardo e Cia.

Para fazer a boca, um Crémant de Bourgogne Rosé Mousseaux Brut do Domaine Amiot, Guy & Fils, Chassagne Montrachet, com 12%, por R$ 119,00, Chardonnay e Pinot Noir, que estava divino.


Vamos à degustação dos Bordeaux. Os preferidos foram:

1º) Chateau Grand-Pontet 2005 – Saint-Émilion - Gironde - Grand Cru Classé - com 70% Merlot e 30% C/S e C/F, 14,5%, RP 93, WS 92, por R$ 380,00.

2º) Chateau Le Boscq 2005 - Saint Estèphe - Vignobles Dourthe - Gironde - Cru Bourgeois Supérieur - com 80% C/S e 20% de Merlot, C/F e Petit Verdeau
13%, RP 90, WS 89, por R$ 311,00.

3º) Château Fontenil 2000 – Fronsac – M et D. Rolland - Gironde - com 90% Merlot e 10% C/S, 13,5%, RP 91, WS 91, por R$ 342,00.

4º) Château Cap de Faugères 2005 - Côtes de Castillon - Gironde - com 85% de Merlot e 15% C/S e C/F, 14,5%, RP 89, WS 89, por R$ 160,00.

Após a degustação, tivemos a comidinha sempre caprichada pelo Chef da Grand Cru Moema, regado a Dante Rubino – Bonarda, muito bem harmonizado com o prato servido.

Mais uma noite inesquecível.

Até a próxima.
Cacha

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Credvinho - Jul de 2009 :: Portugueses

O tema do encontro de 15/07/2009, realizado na Kylix, foi “Vinhos Portugueses”.


Os confrades do Credvinho mais uma vez, como que em uma “Task Force”, voluntariaram-se para degustar,por orientação do Credidio e da Lusitana, algumas preciosidades produzidas pelos nossos descobridores. Aliás, o Credidio tem nos incentivado a colaborar sugerindo temas, rótulos e até mesmo locais para as degustações realizadas pela confraria, preservando desta forma o espírito democrático reinante no grupo. Portanto pessoal, sugestões são bem vindas, participe!


A seguir umas fotos do nosso ambiente de trabalho, ferramentas e o empenho dos confrades:



Começamos nosso trabalho por um delicioso vinho branco, HERDADE DAS ALBERNOAS, vinho regional alentejano, 2007. Produzido pela Sociedade Agrícola Encosta do Guardiana Ltda., Monte da Mariana, Beija, usando castas cultivadas nas planícies xistosas do Sul de Portugal. Cor citrina, aroma frutado , fresco e elegante. Um corte de “Uvas Viníferas brancas européias” (Arinto, Roupeiro e Antão Vaz).

Continuando a jornada, tivemos o prazer de degustar na ordem apresentada abaixo, às cegas, os seguintes vinhos:

CALÇOS DO TANHA, DOURO 2005 - DOC

Nasceu na região demarcada do Douro a partir de castas selecionadas; corte composto de Tinta Roriz, Touriga Franca e Tinta Barroca. Grau alcoólico de 14,00%. Produzido e engarrafado por: Quinta do Zimbro-Vinhos Ltda., Vilarinho do Freires – Peso da Régua – Douro – Portugal. Preço corrente em torno de 63 reais.


Curiosidades: Quinta do Zimbro

A Quinta do Zimbro fica situada na margem direita do rio Douro, a 100 metros deste e a 1 km da estação de caminho de ferro do Tua. A propriedade possui um pequeno olival e um laranjal com 555 laranjeiras.

A vinha ocupa 15 ha, povoada com as tradicionais e autóctones castas do Douro: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Roriz, Tinta Barroca e Tinta Amarela. Este encepamento, juntamente com o clássico solo xistoso da região e o clima dão origem a um terroir, que proporciona a obtenção de vinhos de elevada qualidade e estrutura, que permitem um equilibrado envelhecimento. Para além desta propriedade, a Quinta do Zimbro - Vinhos, Ltda, possui ainda vinhas na região do Baixo Corgo (Dados –

Manuel Hespanhol (proprietário português apesar do nome).

VINHAS DA IRA, VINHO REGIONAL ALENTEJANO 2004


Corte feito das castas Afrocheiro, Alicante Bouschet e Aragonês. 14,5% de Álcool. Estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês. Produzido e engarrafado por HENRIQUE JOSÉ DE LA PUENTE UVA, Trindade, Beja, Portugal.

Um vinho de coloração intensa, aromas complexos e muito volume de boca. Pordução limitada a 8200 garrafas. Temperatura de servico recomendada: 17º a 18º C. Preço corrente; cerca de 302 reais.

HERDADE PAÇO DO CONDE, VINHO REGIONAL ALENTEJANO reserva 2005

Corte composto por 60% Syrah, 30% Touriga Nacional e 10% Alicante Bouschet. 14,0% de Álcool.

Estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês e americano. Aroma complexo e intenso com notas de frutos pretos maduros. Paladar com boa estrutura, harmonioso e com taninos muito suaves. Produzido por Sociedade Agrícola Encosta do Guadiana Ltda., Monte de Mariana, Beja, Portugal. Preço corrente; cerca de 118 reais.

CALÇOS DO TANHA, DOURO RESERVA 2005 - DOC

Provém de vinhas ‘velhas, caracteriza-se pelas notas de frutos maduros e pela complexidade conferida pelo estágio em barricas de carvalho francês e americano por 9 meses.

Corte composto de Tinta Roriz, Touriga Franca, Tinta Barrocae Tinta Amarela. Grau alcoólico de 13,5% por Vol. Produzido e engarrafado por: Quinta do Zimbro-Vinhos Ltda., Vilarinho do Freires – Peso da Régua – Douro – Portugal.

Preço corrente em torno de 188,00 reais.


Após inumeras avaliações, os confrades votaram. Depois da tradicional tabulação feita pelo Credidio, foi anunciado a seguinte classificação:


1) HERDADE PAÇO DO CONDE, VINHO REGIONAL ALENTEJANO reserva 2005

2) VINHAS DA IRA, VINHO REGIONAL ALENTEJANO 2004

3) CALÇOS DO TANHA, DOURO RESERVA 2005 - DOC

4) CALÇOS DO TANHA, DOURO 2005 - DOC


Uma vez tendo atingido o objetivo estabelecido passamos ao jantar; afinal ninguém é de ferro!


Uma das opções apresentada foi o Mignonette de Filet Mignon ao Molho de Vinho Tinto (estava excelente!). A outra, Penne ao molho de Gorgonzola (que ainda não temos a receita!). Após algumas considerações, optamos para acompanhar o jantar por um tinto, Ventisquero Reserva, D. O. Valle Del Maipo, Chile. Um excelente Vinho!
A receita do Mignonnette nos foi passada gentilmente pela anfitriã. Portanto para os corajosos que quizerem testar suas qualidades culinárias, segue abaixo um passo-a-passo:


Mignonette de Filet Mignon ao Molho de Vinho Tinto (Pelo Chef Mauro Marcelo Alves)

(Porções: 4 )


1 kg de Filet Mignon

1 colher de sopa de farinha de trigo

Sal a gosto

½ colher de café rasa


Preparo:

Cortar o Filet Mignon em tirinhas bem fininhas (menor que o corte de strogonof).

Misturar todos os ingredientes, apertar bem no aro para dar o formato de medalhão (fica alto) e levar à geladeira.


Molho de Vinho Tinto.


750 ml de vinho tinto

3 folhas de louro

1 dente de alho

1 ramo de alecrim

1 colher de sopa (cheia) de maisena. (diluída em um pouco de água).

Sal à gosto

Pimenta do reino á gosto

1 pitada de açúcar.


Preparo:

Deixar o vinho reduzir com o alecrim, louro, alho, sal e pimenta do reino, por mais ou menos 30 minutos em fogo baixo.

Quando reduzir, coar o molho e levar novamente ao fogo e quando levantar fervura acrescentar a maisena diluída em água, mexendo rapidamente com um fue.


Tempo de Cozimento


20 minutos para a carne ao ponto.

10 a 15 minutos para a carne mal passada.


Agradecemos ao Simon/Lucia Knittel e a Paula Lima da “Kylix Com. e Imp. de Vinhos” pelo supporte e por ter possibilitado a realização desse encontro. Agradecemos também a Eliza Leão, da “Lusitana de Vinhos e Azeites”, pelo apoio e suporte na realização do evento.

Um grande abraço a todos e até a próxima.

Walter F. Brungnole




quarta-feira, 24 de junho de 2009

Degustação de Jun 2009 - Barca Velha e Ferreirinhas

Nossa reunião de Junho ocorreu na Zahil Importadora (www.vinhoszahil.com.br) onde fomos otimamente recebidos pelo Altair.

Foi uma reunião histórica, pois tivemos a oportunidade de degustar os vinhos da Casa Ferreirinha (Sogrape), incluindo um Barca Velha.


A sugestão foi do Serge e a confraria considerou uma espetacular idéia.

Vamos aos preferidos:

1º) Barca Velha 2000 - Casa Ferreirinha - Douro - Portugal - com Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz e Tinto Cão, com 13,5%, por R$ 890,00.
Como referência a safra 1999 foi avaliada com 93 pontos pela WS.

2º) Casa Ferreirinha Reserva Especial 1997 - com Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz, com 13%, por R$ 315,00, WS-88 pontos.

3º) Casa Ferreirinha Reserva Especial 1990 – com Touriga Naciona, Touriga Franca e Tinta Roriz, com 12,5% , por R$ 315,00.

4º) Casa Ferreirinha Reserva Especial 1996 - com Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz e Tinta Barroca, com 12,5%, por R$ 315,00, WS-91 pontos.

Agradecemos à Zahil por esta excelente oportunidade de degustarmos vinhos desta categoria.

Abraços e até a próxima
Cacha


sexta-feira, 19 de junho de 2009

Dica do Figão - revista Gosto (06/2009)

Dica do Figão - 09/06/2009
Revista Gosto - nº 1

Credidio, a Eliza me enviou e você vai poder ver o encarte da Lusitana para esta Revista, onde aparecem Gomide e eu e mais abaixo Horacio Fontes e Sugui.



Acho que poderia ir para o site do Cluvinho.... Esta foto foi o evento de um jantar de comidas portuguesas feitas pelo Arno no restaurante Vecchia Cucina, que por sinal foi sensacional pelas comidas e pelos vinhos apresentados, ótima seleção da Lusitana.

É só uma sugestão ja que estamos presentes e o Cluvinho e o Credvinho representados.

Abraços,

Figão.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

:: Credvinho - Jun de 2009 :: Argentinos

Em 17/06/2009 nos reunimos na Grand Cru, com o árdua missão de degustarmos mais algumas preciosidades selecionadas pelo nosso mestre Credidio (provavelmente com ajuda dos amigos enófilos, enólogos, sommeliers e demais WT (Wine Technology) experts).




Inicialmente nos foi apresentado um Doña Paula Naked Pulp, produzido com uvas VIOGNIER do Vinhedo Vistaflores do Valle do Uco, Mendoza, Argentina. Vinho de cor amarela com reflexos dourados, com grau alcoólico de 14.5%, dez meses em barricas de carvalho francês de primeiro uso; o suficiente para apresentar uma deliciosa sensação na boca sem predomínio absoluto de madeira. Muito bom vinho. Preço corrente; cerca de 120 reais. Parabéns pela escolha; muito bom, pelo menos eu gostei muito. O vinho foi muito elogiado por nossos colegas da confraria.

Em seguida, mais trabalho. Tivemos o prazer de degustar às cegas os seguintes vinhos:


RIGLOS gran Corte, 2005

Corte composto de 55% de uva Malbec e 45% de uva Cabernet Sauvignon, vinhedo Finca Las Divas, localizado na Ruta provincial 89 - Carril Los Árboles, Km 13 - Gualtayarí, Tupungato, Alto Vale de Uco, Mendoza, Argentina. Altitude 1250 m.s.n.m. Grau alcoólico de 14,00%.Envelhecido 18 meses em barricas de carvalho francês de primeiro uso. Preço corrente em torno de 220 reais.

BRAMARE CABERNET SAUVIGON, 2004

Varietal 100% Cabernet Sauvignon, 15,2% de Álcool, da região de Luján de Cuyo, Mendoza, Argentina.

Produzido pela VIÑA COBOS. Resultado do comprometimento da busca de excelência de três enólogos; características argentinas por Andréa Marchiori e Luis Barraud. Tendência californiana seguindo o estilo do pioneiro Paul Hobbs.

Grau alcoólico 15,2%. Guarda 10 anos. Envelhecimento; 18 meses em barricas de carvalho. Preço corrente; cerca de 183 reais.


CABERNET FRANC DE TUPUNGATO, LIMITADO 04 (2004)

Varietal 100% Cabernet Franc do Valle de Tupungato (Finca Los Nietos) Mendoza, Argentina. 14,9% de Álcool, Esse Cabernet Franc Reserva Limitada repousou em barricas de carvalho francês novas por 16 meses. Vinificação; dedicação exclusiva, seleção de grãos de forma manual. Produzido por ANDELUNA CELLARS, sob orientação do Enólogo Silvio Alberto com assistência de Michell Rolland e sua equipe.


FLECHAS DE LOS ANDES – GRAN MALBEC, 2006

Varietal 100% Malbec , 15,5 % de Álcool, produzido pela Vinícola Flechas de Los Andes (Barons de Rothschild & Dassault), na região de Uco, Mendoza, Argentina. Envelhecimento; 14 meses em barricas de carvalho francês de segundo uso, Guarda: 5-6 anos.

Após inúmeras ponderações, reflexões e acionamentos neuronais e de memória organoléptica, cada elemento do júri atribuiu suas notas e passou, como usual, para o Credidio que com sua ËXCEL Mind, tabulou brilhantemente os resultados de cada um dos participantes e anunciou a seguinte classificação:


1) CABERNET FRANC de tupungato, LIMITADO 04 (2004)

2) BRAMARE CABERNET SAUVIGON, 2004

3) RIGLOS gran Corte, 2005

4) FLECHAS DE LOS ANDES – GRAN MALBEC, 2006


Como era de se esperar, foi um encontro de muito trabalho. Logo, a luta continuou.

Antes do jantar, ricamente preparado pela Chef Andreia Sanches da Grand Cru, fomos presenteados pela nossa amiga Ana, que tendo passado um certo tempo nos USA, nos presenteou com um PINOT NOIR da terra do Tio Sam (que belo gesto! Que bom seria se todos fossem iguais a você! Muito obrigado). Especificamente um:


· archery summit willamet valley PINOT NOIR, 2006 PREMIER CUVÉE

(Fui buscar: Cuvée; Uma mistura ou composição (blend) que pode ser de diferentes variedades, regiões ou vindimas (colheitas), ou pode ser de diferentes barricas ou tonéis de uma mesma propriedade ou vinhedo) Cuvée (Larousse): porção contida numa cuba.

Rótulo: Premier Cuvée, nosso corte 100% proprietário Pinot Noir é feito de nossas plantações mais velhas e de clones Dijon originárias de nossas propriedades vinícolas. Essas vinhas, ao lado das montanhas, nas quais são plantadas até 4800 parreiras por acre, são cuidadas exclusivamente por nossa tripulação de dedicados trabalhadores de nossos vinhedos. O vinho foi fermentado por fermento indígena em tanques (topo aberto) de Madeira e de Aço Inoxidável e gentilmente manuseado na vinícola pelo nosso processo de fabricação por fluxo da gravidade.


Cultivado, Produzido e Engarrafado pela ARCHERY SUMMIT WINERY (www.archerysummit.com), DAYTON, OR, USA.


Enfim, chegada a hora do jantar. Sorrentine de Ricota ao molho cremoso de Parma (ver receita abaixo), harmonizado com um SAINT CLAIR MARLBOROUGH PINOT NOIR, 2006 da NEW ZELAND.

Rótulo: PINOT NOIR produzido pela vinícOla familiar “Saint Clair Estate Wines”, fundada por Neal e Juddy Ibbotson, viticultor pioneiro da região de Marlboroug desde 1978. Vinho produzido inteiramente com frutas locais de Marlborough. Um vinho frutado delicioso, de corpo médio, com paladar suave e redondo, dominado por sabores de cereja e alusões (hints) de ameixas.

Para os que gostam de se aventurar, aqui vai a receita do Sorrentine de Ricota ao molho cremoso de Parma, cedido gentilmente pela Chef Andréia Sanches (andreia@grandcrumoema.com.br ). Serve duas pessoas.


Massa:

Sorrentine de Ricota 300g


Molho:

Creme de leite fresco

Lascas de parmesão

Ervas frescas (manjericão e alecrim)

Presunto tipo Parma

Sal e pimenta a gosto


Modo de Preparar:

1) Colocar em uma panela o creme de leite, o parmesão, as ervas picadas e tempere a gosto.

Deixar ferver (não esqueça que no final será acrescentado o Parma que tem alto teor de sal).

2) Cozinhe a massa e coloque no molho ainda fervendo.

3) Tire a massa do fogo, desfie o Parma em fatias grossas, misture e sirva rapidamente (o Parma pode ser acrescentado no final sobre a massa sem que tenha danos ao sabor).

Agradecemos à Grand Cru (Eduardo) - Moema pelo excelente suporte prestado contribuindo para a excelência do evento.

Um grande abraço a todos e até a próxima.

Walter F. Brungnole

quarta-feira, 27 de maio de 2009

:: Degustação de Mai de 2009 :: Australianos

Nossa reunião de maio de 2009 ocorreu pela primeira vez na Wine Society (www.winesociety.com.br) na Rua Medeiros de Albuquerque, 41 - Vila Madalena, especializada em vinhos australianos.



Fizemos a boca com um espumante Bridgewater Mill Brut-Sparkling - método champenoise, com 67% de Pinot Noir e 33% de Chardonnay, da região de Adelaide, com 13%, por R$ 78,00.

A degustação desta vez contemplou 5 vinhos tintos. Vamos aos preferidos:
1º) Knappstein Enterprise 2005 - da região de Clare Valley - 100% C/S, com 14,5%, por R$ 114,00.

2º) Ebenezer 2004 - da região de Barossa Valley - 100% Shiraz, com 14,5%, por R$ 200,00.

3º) Mitchelton 2006 - da região de Victoria - 100% Shiraz, com 14,5%, por R$ 78,00.

4º) Smithbrook Pemberton Merlot 2005 - da região Western Australia - 86% de Merlot, 12% de C/S e 2% de Petit Verdot, com 14%, por R$ 75,00.

5º) Hillstone Karinya Cabernet Shiraz 2003 - da região de Adelaide Hills - 55 % C/S e 45% Shiraz, com 13,5%, por R$ 20,00.

Agradecemos à ótima recepção do Oliver para o nosso grupo e à oportunidade de conhecermos estas novidades australianas.

Até a próxima
Cacha

As últimas aqui no blog